Virginiamicina: saiba tudo sobre o composto

Gostou? Compartilhe!

A virginiamicina é um aditivo cada vez mais utilizado na pecuária brasileira. O nome realmente soa estranho, mas os benefícios no ganho de arroba e prevenção de doenças é tão alto que vale muito a pena ler esta dica da Boi Saúde exclusiva sobre o tema.

Reunimos as principais dúvidas dos produtores sobre o uso e resultado deste suplemento. O objetivo é orientá-los corretamente a respeito deste princípio ativo que evita um dos principais medos dos pecuaristas: a perda de peso. Aumentar o lucro em até 30% é uma realidade com o uso da virginiamicina.

 
banner banner
 

Além do uso do sal mineral, sal proteinado e ureia, tão comuns e bem aceitos na lida do dia a dia, a nossa intenção é que você vá além. Que sua propriedade seja a melhor das melhores e que seu lucro seja destaque no mercado.

Então, tem dúvidas sobre o uso? Confira as próximas linhas. Todo o conteúdo foi produzido a partir de estudos e pesquisas nacionais e internacionais que, além dos resultados positivos comprovam a segurança e a eficácia da virginiamicina na nutrição animal.

Vamos começar? Continue com a gente! Assim seus conhecimentos serão aprimorados. Hoje em dia, produtor informado tem como consequência uma produtividade acima da média.

 

Neste conteúdo, você terá acesso aos temas:

 

 

Entenda o que é a virginiamicina

 

O que é?

A virginiamicina é um aditivo antimicrobiano, ou seja, considerado um antibiótico. Foi descoberto na Bélgica na década de 50. É um princípio ativo que melhora a produtividade e desempenho do gado. Estudos indicam aumento de 15% do peso vivo ao mês.

O suplemento é uma tecnologia que permite ao animal uma melhor performance, a partir da prevenção de algumas doenças que impactam diretamente a absorção de nutrientes essenciais para a engorda. Entre elas, a acidose ruminal.

 

Para que serve?

Promove ganho de peso quando utilizada em baixas doses. Além de melhorar a eficiência alimentar. Se o foco do produtor é engordar o boi e acelerar esse ganho de arrobas, esse é o aditivo certo para manter sempre no cocho.

 

Por que preciso suplementar o gado?

A suplementação é necessária. A maioria dos solos brasileiros destinados à pastagem são pobres em nutrientes importantes para a saúde do gado. Entretanto, muitos produtores encaram como um custo sem necessidade. Porém, esse processo evita a perda de peso, principalmente na seca.

Mas o ideal é iniciar a suplementação já no período das águas, para quando chegar na época de falta de chuvas, o gado já esteja nutrido com o peso ideal. Assim, não será preciso uma suplementação emergencial, sendo o uso apenas para manutenção.

Sobre a economia, é muito melhor usá-la como prevenção e garantir o ganho de peso. Seja no pasto, seja no confinamento. Pois quando é preciso reverter a saúde do animal que está abaixo do peso adequado, o gasto é muito maior.

Lembre-se daquele ditado, amigo produtor: “Prevenir é melhor que remediar”, e complementamos, “Prevenir é muito mais barato que tratar”.

 

virginiamicina
Virginiamicina: saiba tudo sobre o composto – Foto: Rubens Ferreira/@fotodeboi

Benefícios da virginiamicina na pecuária

 

Gado de corte

No gado de corte, a virginiamicina promove uma eficiência alimentar adequada. Um animal que tem uma eficiência alimentar considerada boa é aquele que tem uma digestão que atua normalmente, sem causar danos à saúde do animal ou até mesmo prejudicar o funcionamento de todo o organismo.

Um dos processos com bons resultados é acompanhar como cada animal está se alimentando. No caso do confinamento, fica mais muito fácil, já que o gado consome apenas o que é consumido no cocho.

Ao instalar cochos individuais, o produtor tem condições de saber a quantidade exata que cada animal está consumindo e qual será o impacto na pesagem. Em sistemas à pasto, avaliar o escore do cocho é uma saída.

E qual o papel da virginiamicina nisso tudo? Ela tem o poder de reduzir o ácido lático, aquele que quando entra em desequilíbrio, causa desconforto e sintomas na saúde do animal.

Em casos mais graves, a acidose ruminal aparece com força. Essa doença é tão impactante na pecuária que vamos te explicar aqui mesmo, mais adiante no texto.

Com o uso da virginiamicina, a eficiência alimentar tem uma melhora comprovada por meio de estudos. Como atua direto nas bactérias gram-positivas, favorece a fermentação que acontece no rúmen. Tudo isso, direto no cocho, sem necessidade de implementar nenhuma rotina nova na lida, apenas oferecendo esse aditivo no comedouro.

Outra doença que é bem comum no gado confinado é abcesso hepático. E com o uso desse aditivo, as chances de desenvolvimento são menores.

Com o controle de todos esses problemas de saúde, o gado tem condições de engorda de até 18%. Agora, se o método Boi 777 é adotado na propriedade, esse ganho de peso aumenta a rentabilidade da propriedade em até 30%, de acordo com o Phibro Animal Health Corporation. Ficou curioso? Neste conteúdo, você vai encontrar mais detalhes a respeito.

Saiba mais: Concentrado para bovinos de corte com Virginiamicina.

 

Gado de leite

Quando se trata do gado de leite, uma tarefa constante é a manutenção do PH Ruminal. Dessa forma, a produção de leite em quantidade e qualidade passa a ser a melhor possível.

E um dos papéis de virginiamicina está nesse controle. Quando o PH ruminal não está adequado, as vacas produtoras de leite não se alimentam direito. O leite é reduzido. Outros problemas como abscessos no fígado e pulmão são desenvolvidos. Quando não tratados a tempo, a propriedade pode até perder esses animais.

No caso do gado de leite, a acidose reduz o teor de gordura do produto.

Uma das formas mais práticas para evitar todos esses danos e também produzir um leite de qualidade é oferecer a virginiamicina também para o seu gado de leite.

A melhor forma é oferecer no cocho com outros ingredientes que juntos, melhoram o desempenho da sua pecuária leiteira. Receba uma receita de ração para gado de leite e faça você mesmo na sua propriedade. Solicite gratuitamente neste link.

 

virginiamicina
Virginiamicina: saiba tudo sobre o composto – Foto: Jadir Bison

Qual o ganho de peso?

 

Segundo a Phibro Animal Health Corporation, esse composto aumenta o peso do gado entre 50 gramas/dia a 200 gramas/dia. Vamos confessar que realmente é um número que todo pecuarista espera alcançar. A virginiamicina aumenta a rentabilidade, a partir de um maior ganho de arroba.

A Boi Saúde reforça que para alcançar esse número, o pecuarista precisa focar com dedicação todas as atividades da lida.

Entretanto, é preciso estar com todos os demais processos em dia como oferecer uma ração de qualidade, estrutura física adequada, prevenção de doenças parasitárias, assim como vacinas, água fresca limpa, proteção contra o frio e calor em excesso.

Em propriedades de sistema à pasto, a forrageira bem cuidada e com bom índice nutricional favorece esse aumento de ganho quando aliada à molécula.

 

Virginiamicina e o Boi 777

 

O método Boi 777 é conceito que agiliza o giro do rebanho. O principal objetivo é produzir mais arrobas por animal. E como resultado, ter um lucro maior.

Esse tipo de produção é baseada no ganho de sete arrobas em cada fase da criação: cria, recria e terminação. Mas você deve estar se perguntando como é possível atingir essa meta? 

A partir do momento que a propriedade decide implementar o Boi 777, precisar estar ciente de estar 100% focada no projeto. Isso envolve muita atenção no que é oferecido no cocho, não só na ração, mas na suplementação. E nesse último quesito, a virginiamicina realmente está inclusa.

Para começar, já na fase da cria, a desmama começa aos sete meses de idade, já com sete arrobas. Na fase da recria, que é a mais longa da criação de gado, que dura entre 10 e 12 meses, mais sete arrobas. Já na terminação, que é a fase final, o foco é engordar as sete arrobas finais, em até 120 dias. Neste período, o confinamento é indicado, com uma dieta baseada em grãos para potencializar todo o processo de engorda.

O método Boi 777 é tão rentável que algumas propriedades conseguem fazer o abate de novilhos e novilhas com idade entre 22 e 24 meses, com 21 arrobas. Toda essa produtividade é considerada acima da média nacional. E o melhor te contamos agora: os frigoríficos passam a disputar essa carne que se torna um item valioso na pecuária. Isso porque o rendimento de carcaça passa a ser adequado, de acordo com o que o mercado espera para os consumidores mais exigentes.

 

Primeiras setes arrobas: fase da cria

Para se ter um sucesso em todas as fases, começar na primeira com dedicação total é essencial.

Porém, esses cuidados não começam com o bezerro já nascido e no início da introdução alimentar. Começam antes da estação de monta.

O primeiro passo para ter sucesso no Boi 777 é escolher um gado com uma boa genética. Ter um manejo da reprodução muito bem estruturado e promover às matrizes uma nutrição adequada para evitar problemas durante a gestação. Acima de tudo, gerar bezerros, desde a formação ainda no útero, que sejam maiores e com capacidade de engorda fácil e rápida.

Então, trate com muito empenho as vacas de cria da sua propriedade. Elas são o começo de tudo.  Os detalhes te contamos na dica: Posso dar v-max virginiamicina para vacas prenhes? E outras informações que veremos mais à frente.

 

Bezerros e o papel da virginiamicina no Boi 777

Melhora o desempenho, mantendo a qualidade acima da média. Ainda, aumenta a arroba por hectares ao ano.

Geralmente, nesta fase, os bezerros ainda estão sendo amamentados. E vamos reforçar que desde as primeiras horas de vida, o leite, mesmo ainda sendo colostro, é fundamental para o bovino recém-nascido até atingir a idade da desmama.

Mesmo mamando, o pasto pode ser oferecido e uma ração servida no cocho que garante uma engorda expressiva e que auxilia o bovino chegar aos 210 quilos, que equivalem a 105 quilos de rendimento de carcaça. Ou seja, sete arrobas (as primeiras sete do conceito).

Mas essa ração não pode ser qualquer uma. Tem que ser a certa, com os ingredientes que dão condições para atingir essa meta estipulada.

Para aprender como fazer, receba no seu e-mail um passo a passo gratuito. Clique agora quero a receita de ração para bezerros. Claro que a virginiamicina é um dos ingredientes. Sem ela, esse resultado fica mais difícil, ou até mesmo impossível, de ser alcançado.

 

virginiamicina
Virginiamicina: saiba tudo sobre o composto – Foto: Rubens Ferreira/@fotodeboi

Mais setes arrobas: fase da recria

A fase da recria dura 12 meses. Para alguns produtores, esse tempo é uma oportunidade para aumentar o peso. Já para outros, manter a arroba, sem perdê-la é uma tarefa bem difícil.

E como aumentar mais sete arrobas?

Durante a recria, a virginiamicina consegue adicionar um ganho diário de 136 gramas. Um dos desafios dessa fase é passar pela seca. Entendemos que não é um período fácil. O pasto fica em falta e a qualidade é inferior ao que gado necessita não só para matar a fome, mas para nutrir e promover uma engorda.

Quando a virginiamicina é aliada a uma boa ração ou até mesmo a silagens que passam a ser uma alternativa válida no momento em que falta pasto, potencializa a engorda das sete arrobas que essa fase propõe.

A alimentação na seca precisa ser baseada no cocho. Então, confira algumas sugestões:

A recria também passa pelas águas.

Ao fim da fase, já na transição para a terminação, seu gado tem chances de chegar a 420 quilos. Desses, 210 quilos são de carcaça, resumindo a 14 arrobas.

E já que a recria passa por 12 meses, o gado vive e seca e as águas, a virginiamicina deve ser oferecida em todo esse período para alcançar o resultado citado acima.

Nas águas, a mistura no sal mineral facilita o manejo e na seca, ofereça com sal proteinado. Sua produtividade não terá erros e você entrará na fase final de engorda com grande expectativa de conquistar o mercado da sua região, com um produto de qualidade e antes do tempo previsto de abate.

 

As últimas sete arrobas

Bom, já que a ideia é que o seu rebanho chegue com 420 quilos na fase de terminação, o foco aqui é não só manter, mas conquistar mais sete arrobas nos quatro meses finais do processo.

Não se assuste, quem passou pela cria e cria, somando 14 arrobas em cada, com certeza, não será na terminação que o plano irá por água abaixo. Basta seguir todos os protocolos de manejo, continuar a incluir a virginiamicina no cocho que no momento do abate, a qualidade será excelente.

O objetivo na fase final é atingir 21 arrobas nesses 24 meses, passando pelos oito meses de cria, 12 meses de recria e mais quatro meses da terminação. E mais que um gado gordo, o rendimento de carcaça realmente é muito valorizado.

Nesses meses finais, muitos produtores adotam o confinamento. E como esse sistema de criação demanda a alimentação com grãos em excesso, o papel da virginiamicina aqui é evitar que doenças digestivas ataquem o gado e impedem que a engorda aconteça.

Logo abaixo, vamos explicar o que é a acidose, o timpanismo e o abscesso hepático para que você e sua equipe as evitem ao máximo.

Como resultado, esse aditivo tem as seguintes funções na terminação: promove uma segurança no metabolismo do gado, fazendo com que funcione da forma esperada. O ganho médio diário de peso da carcaça também entra aqui. Isso acontece a partir da melhora da conversão alimentar.

E já que demos orientação sobre ração nas fases anteriores, na terminação não seria diferente. Para saber como oferecer a virginiamicina nessa fase, receba uma receita própria para conquistar as últimas sete arrobas: receita de ração de gado para terminação.

 

virginiamicina
Virginiamicina: saiba tudo sobre o composto – Foto: Boy Fotógrafo/@boyfotografo

Doenças que impactam a produtividade

 

Mais que promover a engorda no gado, a virginiamicina previne doenças que causam um impacto financeiro bem importante na propriedade. Por serem doenças do trato digestivo, aquelas que não causam feridas expostas, fica difícil para o produtor saber se o gado está passando por esses problemas de saúde.

Portanto, qualquer mudança de comportamento investigue. Vamos abordar agora o que é cada doença que esse composto tem o poder de impedir o desenvolvimento. Dessa forma, seu gado estará protegido e terá condições de conquistar as arrobas planejadas. Gado sem doenças é gado com alto desempenho e produtividade.

 

Acidose

Uma das principais causas da acidose é a alimentação errada oferecida aos bovinos. Quando o boi entra na terminação, o excesso de grãos provoca alguns problemas de saúde. Por ser um alimento energético que promove um ganho de peso rápido, os grãos são muito utilizados, ainda mais no confinamento.

A acidose acontece quando o metabolismo digestivo não funciona direito. E passa a trabalhar de forma desordenada.

Então, amigo produtor, fique atento ao que é oferecido. E não esqueça das fibras. Os grãos são importantes para o ganho de peso rápido, desde que seja de uma maneira saudável. Já pensou em incluir as fibras? Pode parecer até algo sem lógico, mas elas são essenciais para equilibrar a dieta e evitar que a acidose apareça.

Mais que fazer um equilíbrio entre concentrado e volumoso, para os adeptos do Boi 777 e dietas de alto grão, principalmente de gado confinado, o uso da virginiamicina torna-se essencial.

Atua diretamente nas bactérias gram-positivas, proporcionando uma boa fermentação de todos esses grãos consumidos. E ainda, faz com que toda a nutrição, vitaminais, sais minerais consumidos pela ração e sal sejam absorvidos. O que resulta na engorda na balança, sem nenhuma interferência.

Em primeiro lugar, evita que o gado sofra com os seguintes sintomas: perda de peso, falta de apetite, ruminação abaixo do normal, laminite, baixa imunidade, deixando mais suscetível a outras doenças. Em segundo lugar, evita que o ácido lático ataque esse gado.

Deixe a acidose de fora da sua porteira com a virginiamicina no cocho.

 

Timpanismo

A virginiamicina pode evitar o timpanismo, a partir da redução das bactérias produtoras do ácido lático.

Alguns sintomas do problema de saúde são:

  • Redução de apetite;
  • Excesso de bolhas na ruminação;
  • Aumento da respiração;
  • Dificuldade de locomoção;
  • Sistema circulatório prejudicado.

O principal deles é impedir a eliminação adequada de gases.

 

 

Abcessos hepáticos

Os abcessos hepáticos reduzem em até 10% o ganho de peso. Lendo assim, pode parecer um dado pequeno, mas tem um grande significado na balança.

O abcesso é um resultado da acidose ruminal quando não tratada. A fermentação dos grãos consumidos em grande quantidade acontece, resultando em mais essa doença.

Quando não tratado, o produtor pode até perder o animal. Além da falta de apetite, a desidratação é outro sintoma grave. O animal quando está com abscesso, não consome a quantidade de água adequada, com isso, sofre de desidratação.

Precisamos citar o que você precisa fazer para prevenir? Oferecer a virginiamicina no cocho.

 

Cuidados no oferecimento

 

Dosagem

O oferecimento da virginiamicina é muito simples, como já explicamos durante o nosso conteúdo.

Basta adicionar adicionar 0,5 kg do produto em 25 kg de sal mineral. Simples e direto.

Acompanhe sempre o consumo para checar se o gado aceitou bem o suplemento logo no primeiro fornecimento.

Se a rejeição acontecer nos primeiros dias, não se preocupe. Algumas ações bem fáceis, quando adotadas, resolvem o problema: Evite a rejeição no consumo de sal mineral bovino.

Além do sistema a pasto e confinamento, o semi-confinamento também se beneficia do aditivo.

 

Tipo de cocho

Existem vários tipos de cocho e com certeza existe um mais adequado para a sua propriedade.

No momento da escolha, foque em um que atenda o que sua produção precisa. A mistura de virginiamicina com sal mineral pode ser molhada e ter contato com o sol. Porém, caso sirva a ureia no mesmo cocho, é importante que tenha cobertura para evitar a intoxicação.

Para o oferecimento da virginiamicina, o importante é o tamanho para que todos os bovinos tenham acesso ao suplemento ao mesmo tempo.

Conheça alguns modelos de cocho para você se inspirar:

 

Melhor horário

Uma orientação não só para a virginiamicina, mas para o sal e ração: sempre abasteça o cocho nos mesmos horários. Manter a rotina facilita o consumo dos bovinos que são animais de hábitos.

Então, amigo produtor, oriente sempre sua equipe para abastecer o cocho nos horários mais frescos do dia. Ou seja, antes das 10h da manhã e após às 16 horas (quatro horas da tarde).

São os horários quando o sol não está tão forte e o calor tão intenso.

 

Uso com outros aditivos e suplementos

 

Ureia

Muito utilizada na seca, evita a perda de peso nesse período sem pasto.

O uso tem benefícios, desde que os cuidados certos sejam tomados. Não esqueça que a ureia não pode entrar em contato com a água, pois causa intoxicação nos animais.

 

 

Monensina

A monensina sódica é outro antibiótico que traz bons resultados no desempenho do gado. Pode ser oferecido para o gado de corte e de leite.

Protege o organismo do gado contra bactérias que afetam o funcionamento normal do gado. Essas bactérias causam alguns prejuízos no consumo da ração.

Entenda melhor:

 

Sal mineral e sal proteinado

Esses dois tipos de sal são indispensáveis na pecuária. O pasto e ração no cocho não conseguem fazer o trabalho de engorda sozinhos.

Já que no solo não são encontrados todos os nutrientes necessários para manter a saúde em dia e prevenir doenças.

O sal mineral tem a capacidade de repor os minerais com micro e macroelementos. O uso é mais indicado nas águas, quando há mais falta no pasto.

E o sal proteinado é o sal mineral com as proteínas. Ambos podem ter a virginiamicina como ingrediente.

Para fazer seu próprio sal proteinado, os componentes precisam da dosagem certa. Se precisar de uma receita, aprenda como fazer: Receita de sal proteinado – passo a passo como fazer.

 

virginiamicina
Virginiamicina: saiba tudo sobre o composto – Foto: Boy Fotógrafo/@boyfotografo

Aditivo na reprodução dos bovinos

 

Para garantir o sucesso em todas as fases, o produtor precisa implementar esforços desde antes da estação da monta. Já orientamos algumas dicas lá no tópico sobre o Boi 777.

Existem diversas formas de reprodução na pecuária:

Não importa o seu método de reprodução, se atente a algumas informações que impactam diretamente a produtividade em todas as fases, passando pelo rendimento de carcaça até o abate. Escolha muito bem o gado que irá entrar na sua propriedade.

A genética das matrizes e do touro será a transmitida aos novos animais. A raça, quanto mais adaptada à sua região e maior desempenho, melhor.

 

Matrizes

Não tem como produzir um gado de qualidade se as matrizes, responsáveis por gerar a nova vida, não estão em condições adequadas.

O primeiro passo é avaliar as condições corporais das vacas antes da estação de monta. Dessa forma, as matrizes terão tempo para se recuperar, caso estejam com o índice corporal abaixo do indicado.

Quando estão com a saúde reprodutiva em dia, principalmente com o uso da virginiamicina, as vacas têm condições de emprenhar mais rapidamente, quando comparado com aquelas que não fazem uso do aditivo.

Em conclusão, não deixe de inserir a virginiamicina no protocolo nutricional das matrizes: Virginiamicina: vacas de cria manejo pré e pós-parto.

Além disso, as vacas improdutivas também são beneficiadas. Já pensou em reverter essa situação que traz prejuízo para a propriedade? Acesse: Vacas de cria improdutivas: confira o papel da virginiamicina.

 

Touros

A responsabilidade pela qualidade do bezerro não é só da matriz.

O touro também faz parte de uma boa seleção. Um único touro pode emprenhar mais de 20 vacas. Em outras palavras, a genética dele será o resultado de boa parte do novo plantel que será produzido na propriedade.

 

 

Dedique-se para obter uma alta lucratividade

 

A virginiamicina sozinha não faz milagre. É um melhorador de desempenho que previne doenças e que proporciona um ganho de peso, que sem ela, não é possível.

Então, amigo produtor, te convidamos a praticar uma pecuária de respeito e bem-estar aos animais. Esse conceito não é moda. Traz benefícios ao promover boas práticas incentivando as propriedades a não utilizar a violência na lida e a implementar ações básicas e que fazem toda a diferença.

Não deixar o gado passar fome, evitar as doenças ao máximo, oferecer água e ração de qualidade, transporte adequado são algumas indicações.

E como falamos durante todo o texto sobre o uso da virginiamicina, é um investimento que precisa estar entre as prioridades do seu negócio. Para controlar o que entra e o que sai do seu caixa, tenha uma planilha: Como preencher uma planilha de controle de gado?

As dicas sobre produtividade e como alcançar um lucro maior na pecuária não param aqui.

Além do conteúdo que você acaba de ler, a Boi Saúde tem um canal de vídeos com as principais dúvidas dos produtores rurais.

Todo o acesso é gratuito e você aprende como aumentar as arrobas do seu gado de forma simples e com ações de baixo custo. É só clicar: Boi Saúde no YouTube.

E se quiser uma consultoria grátis sobre o uso da virginiamicina, com orientações focadas na sua produção, agende agora mesmo, clicando: consultoria grátis sobre o uso da virginiamicina.

 

Perguntas e respostas sobre a virginiamicina

 

Posso usar a virginiamicina na recria? Sim! Inclusive, esse principio é um grande aliado no ganho de peso. Com duração de 12 meses, a recria tem início no desmame. Vai até quase a fase de acabamento e terminação desses animais. Geralmente, a última fase acontece quando os animais estão com o peso vivo de 350 quilos.

Como a virginiamicina age no aparelho digestivo do animal?  Melhora na absorção de nutrientes, a digestão e na conversão alimentar. É baseado na fermentação de cepas de bactérias Streptomyces virginae. Ainda, reduz doenças metabólicas e abscessos hepáticos. Contudo, para os produtores adeptos da dieta de alto-grão gera um alto benefício contra a acidose.

Evita a acidose ruminal? Sim, virginiamicina e monensina sódica combatem a bactéria que provoca o ácido lático. Então, o uso desses produtos auxilia na prevenção. E também fazem a absorção dos nutrientes servidos na dieta dos animais.

Posso usar no pasto?  Há cinco anos, por meio de estudos, tem se mostrado benéfica em uso a pasto. Para pequenos e médios produtores, o custo-benefício do uso do suplemento é vantajoso. Quanto menor o produtor, maior a busca de eficiência. Esse resultado acontece devido a necessidade de produtividade dentro de uma área que tem mais cabeças por hectare.

Com o uso da virginiamicina com a monensina sódica, o ganho de peso no pasto pode ser de até 150 gramas ao dia, por cabeça.

E no confinamento? Muito indicada e utilizada no confinamento. Tanto que o uso contempla 65% do gado confinado no Brasil.

Posso usar no gado de leite? Sim! Gado de leite e de corte!

É aplicada por dose ou misturada na alimentação? É misturada na alimentação.

Quantas miligramas usar por animal/dia? Adicionar 0,5 kg do produto em 25 kg de sal mineral. Ofereça o produto final após a mistura à vontade aos animais.

É melhor oferecer no período da seca ou das águas? Em ambos períodos, o resultado é efetivo. Importante lembrar que a suplementação deve ser feita o ano todo. Não apenas no período da seca, que precisa ter uso contínuo para manutenção. No período das águas, o suplemento ativa o organismo do bovino e faz com que chegue à seca bem nutrido e saudável. Essa ação previne a perda rápida de peso. Além de doenças por falta de nutrientes.

Entretanto, há estudos que comprovam o aumento de peso da virginiamicina no período das águas, nos bovinos criados a pasto.

Qual a diferença entre virginiamicina e monensina sódica? 

Antes, entenda o que é a monensina sódica. É um aditivo que tem como característica a modificação da fermentação do rúmen. Com isso, melhora a conversão alimentar. A monensina sódica tem uso muito frequente em gado de leite.

Posso usar os dois aditivos? Sim. A monensina sódica e a virginiamicina podem ser usadas de forma complementar para o gado de leite. No gado de corte também pode ser usado. Uma observação: a monsensina sódica não pode ser consumida por cavalos.

O uso da virginiamicina em bezerros é aprovado? A virginiamicina pode ser usada com segurança em bezerros. Inclusive, a Boi Saúde ensina receita que tem o aditivo como ingrediente para efetivar a engorda dos animais dessa idade.

 
banner banner
 

O que é núcleo para a alimentação de bovinos?

Muitos pensam que o núcleo para bovinos é apenas a Virginiamicina, porém é a combinação do aditivo melhorador de desempenho Virginiamicina com probióticos e vitaminas. O objetivo é proporcionar maior aproveitamento de toda a dieta consumida pelos ruminantes, tanto em regime de pasto, tanto em confinamento.

A Virginiamicina pode ser usada em bezerros?

Sim, pode ser usada em bezerros. Inclusive, várias formulações de rações para bezerros utilizam a Virginiamicina como um dos ingredientes.

Como fazer um bom sal proteinado para a seca com Virginiamicina?

Faça com que essa mistura fique bem homogênea com os ingredientes indicados. E sirva ao gado na proporção de 0,2% do peso do animal. A dosagem indicada é se seu animal pesa 500kg, você deverá servir 1kg do alimento por dia.

Como funciona a Virginiamicina em bovinos de leite?

Apesar de ser indicada para gado de corte a Virginiamicina em bovinos de leite também têm benefícios, por aumentar a conversão alimentar deixa o gado de leite mais resistente à doenças e pode aumentar a produtividade.

 
banner banner
 

 

Referências

 

MACIEL. Virginiamicina na alimentação de ruminantes. Revisões publicadas no VIII Encontro de Zootecnistas da UFMG, 2015.
MOURA, Lennon Mesquita. Monensina sódica e virginiamicina para bovinos de corte: desempenho e simulação econômica. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS. Goiás, 2013.

Eficiência alimentar em bovino de corte. Embrapa. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v.37, n.292, p.28-38, 2016.

Nuñes, Amoacyr José Costa. Uso combinado de ionóforo e virginiamicina em novilhos Nelore confinados com dietas de alto concentrado. Piracicaba, 2008.

Vai uma pitadinha a mais? Dinheiro Rural, 2016.

Pecuária Eficiente. Phibro Animal Health Corporation.

Dieta rica em concentrado pode levar à acidose ruminal em confinamento bovino. Embrapa. Outubro, 2019.

MESQUITA, Lenon. MONENSINA SÓDICA E VIRGINIAMICINA PARA BOVINOS DE CORTE: DESEMPENHO E SIMULAÇÃO ECONÔMICA. Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2013.

O que é acidose ruminal. Revista Veterinária. Outubro, 2019

NICODEMO, Maria Luiza Franceschi. Uso de aditivos na dieta de bovinos de corte. Embrapa Gado de Corte, Campo Grande, MS 200.

BULA, Tatiani. Benefícios do uso de virginiamicina para bovinos de leite. Scot Consultoria.

 
banner banner
 

66 pensou em “Virginiamicina: saiba tudo sobre o composto”

  1. Vivaldo Júnior disse:

    Boa noite, estou implantando um confinamento na minha propriedade, e sempre pegando dicas do que vc sempre fala, ajuda muito seus vídeos são muito bem explicados e tipo tudo que pesquiso na internet sempre vcs tem uma dica e explica muito bem, vocês prestam maravilhoso trabalho sempre acompanho seus vídeos e suas dicas, parabéns.

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Vivaldo, seu comentário é muito importante para nossa equipe! Nosso objetivo é facilitar o acesso à informação, para que nossa pecuária seja cada vez mais forte! Muito obrigado por estar com a Boi Saúde!!

  2. RAFAEL STRINGARI disse:

    Olá, posso colocar em cima da silagem fornecida no cocho?

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Rafael, para tirar suas dúvidas contate-nos pelo WhatsApp, através do link a seguir: https://bit.ly/2z0RSdC

  3. ELAINE CASAS disse:

    Olá
    Gostaria de receber alguma indicação de local (site) de venda da virginiamicina pois aqui nas lojas da minha região não encontro.
    Obrigada
    Elaine

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Elaine, tudo bem? Para mais informações e venda da Virginiamicina contate-nos pelo WhatsApp, basta clicar no link a seguir: https://bit.ly/2z0RSdC

  4. Alexandre Resende De Oliveira disse:

    Boa tarde José Carlos!
    Sempre acompanho as suas dicas e são muito boas! Gostaria de saber se faz mal para os bezerros que ainda estão mamando consumirem a virginiamicina, pois tenho um único cocho de sal mineral na propriedade.

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Alexandre, obrigado por nos acompanhar, não terá problema se os bezerros consumirem a Virginiamicina, será até bom, pois ajuda a desenvolver o rúmen!

  5. Pedro Menezes disse:

    José Carlos, Boa noite. Após assistir à sua live de hoje, resolvi complementar minha pergunta e reafirmar que tenho assistido a diversos vídeos publicados por vc no YouTube. Parabéns pela dedicação. Gostaria de saber se a Virginiamicina pode ser misturada apenas ao Sal Mineral e Ureia no período da Seca. Obrigado

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Pedro, obrigado pelo elogio, pode sim, você terá excelentes resultados. Abraço!

  6. Pedro Menezes disse:

    José Carlos, Tenho assistido a diversos vídeos publicados por vc no YouTube. Parabéns pela dedicação. Gostaria de saber se a Virginiamicina pode ser misturada ao Sal Mineral e Ureia no período da Seca. Obrigado

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Pedro, obrigado pelo comentário, pode sim, você terá excelentes resultados. Abraço!

  7. Luciano Matos Damasceno disse:

    GOSTEI, INFORMAÇÃO NUNCA É DIMAIS, GOSTARIA DE SABER SE EM UMA SACA DE SAL A MESMA QUANTIDADE DA VIRGINIAMICINA PODE COLOCAR A MESMA DOSAGEM DE MONESINA . E A DOSAGEM PRA BOVINOS É A MESMA DE CAPRINOS E OVINOS EM UMA SACA DE SAL.

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Luciano, obrigado por nos acompanhar, para tirar suas dúvidas e ter todas as informações certinho, contate-nos pelo WhatsApp, número: (17) 4141-3292.

  8. Muito bom o texto.
    Precisa suspender o uso, tanto da monensina quanto da Virginiamicina, por algum período antes do abate para animais em confinamento?

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Lais, obrigado por nos acompanhar, não precisa suspender, pode continuar servindo normalmente, nossos produtos não afeta a carne nem o leite.

  9. Luca Guim Valsani disse:

    Parabéns pelo trabalho que faz nos ajuda muito, Virginiamicina tem algum problema se deixar no tempo com sal mineral, pegar sol e chuva ?

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Luca, obrigado por nos acompanhar, não terá nenhum problema. Pode deixar a vontade no cocho!

  10. Raphael Rollemberg disse:

    Boa noite!! A monensina é contra indicada, podendo causar até a morte em búfalos. Posso usar a virginiamicina nos Búfalos?? Desde já, obrigado.

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Raphael, a Monensina pode ser servida à todos os ruminantes, sendo assim os búfalos podem consumir sim, inclusive ovinos e caprinos, a única restrição aplica-se aos equinos. E a Virginiamicina pode ser usada em todos incluindo os equinos.

  11. FRANCISCO JORDANIO BERTOLEZA DE CARVALHO * disse:

    Esse virginamicina está disponível nas lojas agropecuárias ?

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Francisco, tudo bem? Agradecemos o seu comentário! Para mais informações de como adquirir a Virginiamicina acesse o link a seguir: http://bit.ly/2l6Xg8u

  12. Antonio Eduardo Lima Rodrigues disse:

    Posso usar a virginiamicina na recria de bovinos misturado com sal comum (cloreto de sódio)? Se positivo, em qual proporção?

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Antonio, obrigado por nos acompanhar, pode sim! Para saber a quantidade e como servir contate-nos pelo WhatsApp, número: 017- 4141-3292!

  13. Franz B. Arnold disse:

    Ola… boisaude sou Academico e vi grandes informacoes para area …. Muito obrigado …

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Franz, obrigado por nos acompanhar. Conte sempre com a Boi Saúde!

    2. Lourival Alves da Costa disse:

      Lourival Alves da Costa

      1. José Carlos Ribeiro disse:

        Olá Lourival, tudo bem? Agradecemos o seu comentário! Para mais informações de como adquirir a Virginiamicina acesse o link a seguir: http://bit.ly/2l6Xg8u

  14. Augusto Affonso Maciel Pereira disse:

    Sr. José Carlos gostei na teoria sobre os benefícios proporcionados pelo produto virginiamicina aplicado na alimentação do gado, agilizando assim um ganho de peso em menor tempo. Irei procura-lo / BoiSaúde, para acertos comerciais. Espero obter bons resultados, com o uso adequado do produto. Continue a nos presentear com as boas informações. Cordialmente, Augusto Affonso.

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Augusto, obrigado por nos acompanhar. Conte sempre com a Boi Saúde. Abraços!

  15. Manoel Fernandes disse:

    A virginiamicina pode ser usado para outros animais, tipo ouvinos e caprinos?

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Manoel, obrigado por nos acompanhar, sim, você pode servir também para os ovinos e caprinos!

  16. Prof Otávio Gomes Óbidos disse:

    Muito obrigado pelas dicas, sou pequeno produtor e vou utilizar a virgianimicina este proximo ano no meu rebanho

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Prof Otávio, obrigado por nos acompanhar. Conte sempre com a Boi Saúde!

  17. Gaspar Junior disse:

    Posso adicionar virginiamicina ao sal contendo nutrientes macro e micro e amireia ?

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Gaspar, obrigado pela pergunta, sugiro que envie um e-mail para “contato@boisaude.com.br” para que possa obter uma resposta completa! Continue nos acompanhando, abraços!

  18. Boa Noite! Antes do desmame pode usar o virginiamicina nos bezerros?

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Eduardo, obrigado por nos acompanhar, o recomendado é após a desmama.

  19. Jose Araujo gomes disse:

    Muito bom poder contar com um canal de dicas como esse.

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Jose, obrigado pelo elogio, continue nos acompanhando!

  20. Muito bom poder contar com essas dicas
    Grande trabalho boi saude parabéns!

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Wanderlan, obrigado pelo elogio, continue nos acompanhando!

      1. Gessica Teixeira de sousa disse:

        Boi saúde vem me ajudando muito, sou acadêmica de Zootecnia ! Obrigada pelas dicas e ensinamentos. Sucesso!

        1. José Carlos Ribeiro disse:

          Olá Gessica, obrigado pelo elogio, continue nos acompanhando e conte sempre com a Boi Saúde!

  21. José Adriano Jodas disse:

    Este remédio é Homeopático?

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá José, obrigado por nos acompanhar, nossas tratamentos são nutracêuticos, pois garantem um resultado mais rápido e eficaz!

  22. Alexandre Hernandes disse:

    Qual a dose de monensina e virgimiamicina que posso fazer quando for misturar as duas em engorda de bovinos ??

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Alexandre, obrigado por nos acompanhar. Recomendamos 2 gramas animal/dia de cada tratamento.

  23. Devo usar a virginiamicida em todas as fases (cria, recria e acabamento) ?

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Marco, sim, após a desmama pode se usar a virginiamicina em todas as fases.

  24. Olá.aqui na minha região não encontro tem como adquirir pela internet

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Nilde, nós vendemos e te entregamos com frete grátis, nós adiciona no Whatsapp 017 – 4141-3292, ou acesse o link a seguir: https://boisaude.com.br/nutricao/totalcortepremium#orcamento .

  25. Daniel Felau disse:

    Estou usando o total corte , estou muito satisfeito com o resultado , obrigado pelas informações , forte abraço a equipe …

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Daniel, que bom fico feliz. Obrigado pelo elogio, continue nos acompanhando e um abraço de toda a equipe Boi Saúde!

  26. Paulo César Gouveia disse:

    Misturado ao Sal, pode molhar?

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Paulo, sim, não tem problema molhar a virginiamicina.

  27. Rubem O. Andrade disse:

    Sou do estado do Amazonas, onde e como consigo esse produto (Virginiamicina).

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Rubem, tudo bem? Agradecemos o seu comentário! Para mais informações de como adquirir a virginiamicina acesse o link a seguir: https://boisaude.com.br/nutricao/totalcortepremium#orcamento

  28. Ricardo Tavares Bello disse:

    Excelente matéria … Gostei muito, não conhecia esse produto com virginiamicina… Parece ser bom

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Agradecemos o elogio! Sim, a virginiamicina é excelente!

  29. Antônio Mário Carneiro disse:

    Estou usando totalcorte e ureia com cana encilada numa bizerrada a 120 dias tive um ganho de peso de 40 kg no período,comcidero bom ou poderia ser melhor.rrceita boi saúde estou grato.

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Antônio. É sim um bom ganho de peso!

  30. José do Espírito Santo disse:

    Grato pela informação. Bem em tempo.

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Obrigado você pelo comentário!

  31. excelentes informações…parabéns a boi saúde

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Obrigado! Estamos aqui para ajudar sempre!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*