Sal mineral: por que, como e quando oferecer ao gado?

Gostou? Compartilhe!

O sal mineral é uma nutrição básica na pecuária. Se você é daqueles pecuaristas que fazem de tudo para ter uma alta produtividade e mesmo assim os resultados ficam parados, este conteúdo é para você.

Além de entender a quantidade ideal de sal mineral para os bovinos, vamos te levar muito mais conhecimento a respeito desse sal. E ainda fazer com que você entenda de uma vez por todas porque ele é tão importante na pecuária e no seu lucro.

Claro que para alcançar um desempenho esperado, oferecer apenas sal mineral no cocho não basta. Existem diversas interferências entre a qualidade do pasto, a composição do sal e a extensão do cocho e todas as atividades que envolvem a lida.

O pasto só não basta. No entanto, é preciso uma força extra no cocho. E o sal mineral pode cumprir muito bem esse papel.

Porém, o uso do sal mineral é essencial para manter o seu fluxo de caixa em dia e sempre positivo.

Por isso, a Boi Saúde oferece esta dica sobre como utilizar esse elemento a favor da sua pecuária.

 

Neste conteúdo, você terá acesso aos temas:

 

 

O que é sal mineral?

 

Como o nome já diz, é um sal composto por minerais. Mas não por qualquer mineral. Mas por aqueles que são essenciais para a boa saúde e desempenho esperado de um bovino.

Esses minerais são elementos necessários para a manutenção do peso e saúde do organismo do bovino. Muito utilizado no período das águas, época de maior deficiência de minerais, pode ser utilizado o ano todo. O importante é que o oferecimento seja feito no cocho. Dessa forma, favorece a nutrição de dentro para fora.

É composto por macro e microminerais que evitam doenças, garantem a boa formação de bezerros, no caso das matrizes, facilitam a digestão, e em consequência, a engorda.

Alguns exemplos dos componentes são:

  • Macrominerais: Cálcio (Ca), Fósforo (P), Magnésio (Mg), Enxofre (S), Sódio (Na), Cloro (Cl) e Potássio (K);
  • Microminerais: Ferro (Fe), Zinco (Zn), Cobre (Cu), Iodo (I), Manganês (Mn), Flúor (F), Molibdênio (Mo), Cobalto (Co), Selênio (Se), Cromo (Cr), Níquel (Ni), Vanádio (V) e Silício (Si).

No momento da compra, preste atenção à formulação. Foque realmente naqueles que o seu gado mais precisa no momento. E para saber o que mais falta na sua pastagem, uma análise de solo pode te auxiliar a oferecer os minerais ausentes no cocho.

Tenha todo o cuidado possível no momento de selecionar o ingredientes que farão parte da sua mistura. Alguns elementos considerados tóxicos podem prejudicar a saúde do gado, proporcionando o efeito contrário ao esperado.

 

Qual a diferença do sal branco para o sal mineral?

O sal branco comum é pobre em nutrientes. Basicamente é composto por cloro, sódio e iodo. Ou seja, não tem a capacidade de repor todos os sais e vitaminas que o gado precisa para se manter saudável e adquirir as arrobas necessárias.

Esse tipo de sal pode sim ser utilizado na pecuária, mas não com foco na nutrição. Basicamente, tem a finalidade de limitar o consumo de alimentos considerados volumosos oferecidos no cocho. Nesse caso, a dosagem indicada do sal branco é 80 gramas por animal/dia, no máximo.

O sal mineral também tem o sal branco. Porém, tem acionado micro e macroelementos fundamentais, conforme citamos acima.

A propriedade que utiliza o sal mineral consegue ver a produtividade de dentro para fora. A pelagem fica mais brilhante e o produto final produzido é diferenciado, tendo mais qualidade, quando comparado com aquelas que não o utilizam.

 

Já sabe o que falta na sua pastagem?

 

A primeira recomendação antes da compra ou produção do sal mineral é entender quais são os nutrientes que faltam na sua pastagem.

Recolher amostras para análise é o primeiro passo. Você consegue recolher com uma faca de aço inoxidável. Com esse instrumento, retire amostras de diversas partes do pasto. Principalmente, dos locais onde os bovinos mais consomem a forrageira. Evite os espaços que possam ter contaminação, ou possível interferência externa, como trilhas e acúmulo de fezes.

Coloque as amostras de terra retiradas em um saco de papel e deixe-as em áreas ventiladas para secar. Programe-se para fazer essa tarefa no período com mais frequência de chuvas e também no mais seco, durante a estiagem. Dessa forma, o resultado da análise será mais preciso.

Feita essa retirada, o material está pronto para ser enviado para a análise de solo. Esse processo de conhecimento sobre os nutrientes do solo, os mais ricos e mais pobres, nos dá condições de entender qual será a composição de sal mineral ideal para a nossa propriedade.

Se ainda não te convencemos sobre a importância, que tal entender um pouco mais aqui: Análise de solo: por que fazer na sua propriedade?

 

Como oferecer no cocho?

 

Esse sal mineral deve ser servido, de preferência, em cochos cobertos. Essa cobertura deve ser feita por dois motivos:

1- O sal úmido ou molhado tem consumo menor;

2- Toda vez que o sal é molhado, algumas moléculas das substâncias que o compõem se separam e se juntam a outras, o que inibe o resultado esperado pelo produtor.

Além disso, o cocho deve ter sete centímetros lineares por animal. E também fracione um cocho a cada 50 hectares dentro da propriedade. A partir dessa distribuição, os animais terão sal à disposição em diversos pontos da propriedade, facilitando o consumo.

Sobre a localização do bebedouro, precisar estar próximo ao cocho. No caso do oferecimento do sal mineral, quanto mais próximos esses dois estiverem, cocho e bebedouro, melhor ainda.

No oferecimento de outros suplementos e ração, confira qual a distância ideal para cada um: Qual a distância ideal do cocho ao bebedouro bovino?

O cocho precisa de cuidados especiais. Quando citamos a necessidade de cobertura, além de proteger não só o sal, caso tenha interessa em oferecer ureia, o cocho já estará adaptado.

Se você tem dúvidas sobre mexer na estrutura, com a dica Vale a pena cobrir o cocho? é possível tirar mais conclusões.

E ainda, você pode oferecê-lo com ureia: Como fazer sal mineral com ureia para bovinos.

 

Qual será o melhor tipo de cocho para sal mineral?
Qual será o melhor tipo de cocho para sal mineral? – Foto: reprodução/Giro do Boi

Melhor tipo de cocho

Não existe um tipo de cocho ideal para o sal mineral. O material pode ser desde madeira, que é o cocho mais comum na pecuária no Brasil, passando por plástico, bombona, cimento até cochos feitos de pneus.

Só atente-se ao tamanho, como citamos acima, e o lugar onde estará instalado.

E independentemente do que for feito, foque sempre na manutenção. O cocho é um detalhe importante que realmente merece atenção e até monitoramento.

Abastecer o comedouro e simplesmente deixar o sal à sorte é uma atitude que não promove os resultados esperados.

Entre as tarefas de rotina dos peões, inclua a leitura do escore do cocho. Essa atividade avalia o quanto os bovinos estão consumindo. Se estiver na quantidade indicada, conforme vamos aprender no próximo tópico, é um indicativo que o investimento no sal mineral está fazendo sentido para o desempenho do gado.

Agora, se estiver abaixo da quantidade ideal, de acordo com o número de cabeças, estude o que pode estar causando essa rejeição. Fique tranquilo que aqui mesmo neste conteúdo você também saberá como lidar com esse problema.

Para orientar a sua equipe a monitorar o consumo, compartilhe com todos a orientação que explicaremos neste link: Como medir o escore de cocho?

E já que abordarmos sobre tipos de cocho, descubra qual é o ideal para sua produção:

 

Quantidade ideal de sal mineral para os bovinos

 

Geralmente, a dosagem ideal é o produtor servir entre 60 gramas a 90 gramas por animal adulto por dia.

E entre 20 a 30 gramas de sal mineral para os bezerros. Na primeira fase de vida dos bovinos, esse suplemento é importante. Como o foco é sempre melhorar a produção, a cada novo rebanho, o uso desde o início do ganho de peso. Entenda a importância: Por que e como oferecer sal para bezerros?

E apenas para relembrar, o sal mineral tem a função de corrigir as deficiências de minerais na dieta dos ruminantes, como cálcio, ferro, enxofre, entre outros nutrientes não encontrados na pastagem ou encontrados parcialmente.

Dessa forma, esses elementos devem ser complementados com o uso desse sal direto no cocho.

É muito importante o uso do sal, uma dieta rica em proteína e energia, sem cálcio ou magnésio suficientes, não proporcionam o ganho de peso esperado.

Para complementar a sua nutrição a ponto de proporcionar a engorda esperada e acima de tudo, o lucro de todo investimento seja compensado, complemente o sal mineral com uma boa ração.

 

Complemente com a ração

A ração para bezerros, por exemplo, tem que garantir não só a engorda. Ou seja, precisa dar uma força para o bom desenvolvimento enquanto o animal está em fase de crescimento.

Essa é a fase de criação do seu gado? Então, comece a preparar agora mesmo a melhor alimentação para cria. Clique e receba a forma de preparo, assim como os ingredientes e as proporções direto no seu e-mail. E sem pagar nada: quero a receita gratuita de ração para bezerros.

As próximas fases, recria e terminação, também merecem se alimentar com qualidade. Queremos que você reflita, mas que também entenda que tudo o que é oferecido no cocho, desde suplementos, aditivos e ração, será o resultado final das arrobas no momento do abate e do rendimento de carcaça que será comercializado.

Explicamos como cada preparo é feito, passo a passo, nas seguintes páginas:

 

Como escolher o sal mineral

Será que existe um sal mineral ideal para a sua propriedade?

Quando for até a loja comprar ou pesquisar pela internet, confira sempre a composição da marca escolhida antes de efetuar o pagamento.

Verifique se todos os itens que fazem parte daquele sal mineral são os mais adequados para a sua produção.

Lembra-se da análise do solo? Por isso ela é tão importante, pois dá condições de investimento em um suplemento que realmente fará a diferença na engorda do rebanho.

 

O que sai e entra da sua propriedade?

E já que estamos abordando compras, você faz o controle de entradas e saídas no caixa da sua propriedade?

Uma pecuária de sucesso se resume não só em uma alta produtividade no manejo dos animais. A administração do negócio e também das finanças é fundamental.

Entender o que sai e entra te dará condições de saber o quanto a sua pecuária está dando de lucro e programar as metas para a próxima temporada. Você não precisa de muito para isso. Basta separar um tempo para olhar com cuidado para esses números.

Uma planilha de controle própria para a pecuária ajuda muito. Peça a sua, que enviaremos para você utilizar agora mesmo, sem nenhum custo: planilha gratuita de controle de contas. 

 

sal mineral nas despesas
Inclua sempre a compra do sal mineral na planilha de custos e investimento da propriedade. – Fonte: Adobe Stock

Como evitar a rejeição do sal mineral

O animal pode sim rejeitar o sal que é oferecido no cocho.

Entre os motivos dos bovinos não usufruirem logo de primeira é o estranhamento no sabor. É muito comum na primeira vez que o sal é servido no cocho. Ou quando há troca do tipo de sal.

Como estão acostumados a um gosto, no momento da substituição feita de um dia para o outro, com certeza, a rejeição irá acontecer.

Resolver essa situação é muito mais simples do que parece.

Existem duas delas. A primeira é levar até o cocho o animal que está mais acostumado com o sal. Ao ver um deles consumindo o sal, os demais terão segurança em fazer o mesmo.

Se realmente nenhum animal faz o uso, temos outra alternativa. Misture fubá ou melaço de cana no cocho com o sal mineral. Esse procedimento indicado nos primeiros dias ajuda a melhorar o sabor. Vá retirando aos poucos o que for misturar (fubá ou melaço) até que fique apenas o sal.

Caso a sua escolha seja o melaço, há chances de acontecer um acúmulo de abelhas no cocho. Porém, existe uma solução muito fácil para resolver esse problema: Como evitar o acúmulo de abelhas no cocho de animais?

 

Guarde bem o sal

Muitas propriedades têm o hábito de estocar o sal. Não tem problema nenhum, desde que seja feito com as orientações que preservem os nutrientes.

Para evitar a perda do sal mineral siga as seguintes orientações:

  • Fique atento a data de validade. Ofereça apenas o que estiver dentro do prazo. Programe-se para utilizar todo o conteúdo e não ter prejuízos;
  • Quando abrir a embalagem e não utilizar todo o conteúdo, faça uma boa vedação no pacote;
  • O espaço onde as sacas serão estocadas precisam ter estrados de madeira para não ficarem diretamente no chão. Se o lugar for aberto, cuidado com a exposição a raios solares;
  • Redobre a higiene para evitar roedores e outros animais que transmitem doenças ao gado.

Reforçamos a importância do armazenamento correto neste conteúdo: Sal mineral, proteinado e ração: saiba como armazená-los.

 

O que oferecer com o sal mineral

 

Sal mineral e ureia

Na seca, a ureia junto ao sal mineral faz um ótimo trabalho.

A mistura de sal mineral e ureia pode ser complementada com outros ingredientes. Assim, os resultados são maiores.

Aqui seguem as proporções indicadas:

  • 12kg de ureia;
  • 25kg de sal branco;
  • 10kg de sal mineral;
  • 40kg de farelo de soja;
  • 30kg de milho moído.

Uma dica muito importante é misturar bem todos os itens dessa lista.

E por que usar esses dois suplementos juntos? Os benefícios são aumento de consumo de pasto e a ingestão de gramíneas. Se puder, dê preferência para utilizar em pastos com alta disponibilidade. Os que passam por vedação se encaixam bem nessa categoria.

 

Cuidados

Bom, o uso da ureia requer alguns cuidados. Em primeiro lugar, a escolha do tipo que será servido. A propriedade precisa ter critérios rigorosos no momento da escolha. Não se deve usar a ureia agrícola ou a ureia fertilizante. Utilize apenas a ureia pecuária para os bovinos.

Em segundo lugar, a ureia não pode ser molhada. Existe um único modelo no mercado brasileiro que quando molhado não causa intoxicação aos animais. É a Ureia Total Premium. Como esse produto, o risco de intoxicação fica longe da sua propriedade. O cocho não precisa ser coberto e a adaptação também é dispensada. Para entender melhor como funciona, agende uma consultoria grátis, clicando AQUI.

As propriedades que fazem uso das demais marcas precisam dos seguintes cuidados para evitar a perda de animais por intoxicação:

  • Ter o cocho coberto;
  • Fazer a adaptação no início do oferecimento;
  • Ter sempre vinagre na propriedade, caso aconteça o consumo em quantidade maior que a recomendada;
  • Não ultrapassar a quantidade de 49 gramas a cada 100 quilos de peso vivo do animal por dia.

Quer saber todos os cuidados com mais detalhes? Acesse: Tudo sobre ureia para bovinos: confira os cuidados. 

 

 

A ureia diminui o consumo do sal mineral?

 

Os bovinos tem preferência de consumo de alimentos que tenham PH levemente baixos. Quando a ureia é oferecida com demais componentes, como o sal, por exemplo, o torna mais alcalino. Por isso, o gado reduz o consumo.

Entretanto, quando um atrativo passa a fazer parte da mistura, o problema é resolvido. O melaço e fubá também podem ser usados nessa situação.

 

Mistura com fubá

A proporção de mistura de fubá com o sal mineral é a seguinte:

Para bezerros desmamados:

  • suplementos à base de fubá ou rolão de milho (60% a 80%);
  • farelo de soja (10% a 15%);
  • ureia (5% a 12%);
  • sulfato de amônio (0,3% a 0,6%);
  • fosfato bicálcico (1% a 2%);
  • sal mineral (8% a 10%).

 

Sal mineral e milho triturado

O milho faz parte da mistura de oferecimento de sal. Como é um alimento muito encontrado e que oferece um índice nutricional que atende o que o organismo dos bovinos precisa, é uma boa opção de ingrediente.

É considerado um alimento concentrado, rico em energia e pobre em fibras. Quando misturado a outros grãos que oferecem doses extras de proteína, como a soja, por exemplo, garantem uma nutrição completa, aliada ao sal mineral.

 

Sorgo com sal mineral

As propriedades que adotam o confinamento como método de produção utilizam o sorgo com frequência. Algumas delas, fazem uso desse grão o ano todo. Rico em amido, é utilizado na pecuária leiteira e de corte.

Os sistemas a pasto, durante a seca, por meio da silagem de sorgo, conseguem prover alimento e aliado ao sal mineral, mantém uma projeção de engorda, além de evitar a perda de peso.

E se você tem dúvidas se a silagem de sorgo pode substituir o capim, respondemos essa pergunta no conteúdo: Silagem de sorgo substitui o capim?

 

Sal mineral e sal proteinado no mesmo cocho

Não, amigo produtor! Não faça essa mistura.

Cada um tem proporção diferente de oferecimento. Inclusive, para saber se realmente existe a necessidade de oferecer os dois no mesmo momento, consulte o zootecnista de confiança.

A indicação sendo necessária, faça o fornecimento em cochos diferentes.

 

Sal mineral para gado de leite

Além do gado de corte, os bovinos de leite têm um desempenho melhor com o uso do sal mineral.

O processo de oferecimento é o mesmo, assim como a dosagem.

Com o sal mineral, o gado leiteiro produz mais em qualidade e quantidade.

Se o foco da sua propriedade é ser referência na região, com o melhor leite disponível da região, o sal entra direto na rotina alimentar das vacas.

Melhore a produtividade da cadeia leiteira: Sal mineral para bovinos de leite é boa alternativa?

 

sal mineral gado de leite
Sal mineral também oferece bons resultados para o gado de leite. – Foto: Pexels

Sal mineral para cavalos

Muitas propriedades utilizam cavalos na lida. Em grandes terrenos, facilita o deslocamento e até no monitoramento do rebanho.

E assim como nos bovinos, o sal mineral age proporcionando um desempenho melhor nas funções.

Uma atenção é a dosagem! A quantidade é diferente da consumida pelo gado. A solução é ter um cocho de sal próprio para os cavalos. Dessa forma, o consumo não passa a ser maior que o recomendado.

O oferecimento pode ser diário com a dose de 25 gramas de sal mineral para cada 100 quilos de peso do cavalo.

Além do sal mineral, os equinos merecem outros cuidados.

Já pensou em oferecer soro para recuperação da saúde, após atividades intensas? A aplicação é simples e tem vários benefícios: Como aplicar soro em equinos?

Ainda, temos que oferecer uma ração balanceada e que garanta a nutrição que seu equino merece: Ração para equinos: confira a receita.

 

Conheça outros tipos de sal

 

Se programe para ter sempre um tipo de sal na sua propriedade.

Além do mineral, existem o proteinado e o proteico. Cada um deles tem uma função diferente. Porém, não podem ser oferecidos juntos no mesmo cocho.

Vamos entender a diferença e saber qual o melhor momento para utilizá-los.

 

Sal proteinado

O proteinado tem como base as proteínas. É muito utilizado na seca, quando a falta desse elemento é maior.

É basicamente um sal mineral com proteínas adicionadas. Portanto, se na sua análise de solo durante a falta de chuvas, o diagnóstico for deficiência de proteínas, esse é o sal ideal.

Assim como o mineral, também pode ser complementado com ureia.

Caso o sal proteinado seja a sua opção, saiba como prepará-lo: Como fazer sal proteinado para o gado: a receita. 

 

Sal proteico energético

Esse tipo de sal, indicado para as propriedades que precisam aumentar o consumo de pastagem, melhora o aproveitamento do pasto já consumido.

Alguns ingredientes que fazem parte da mistura são: farelo de soja, milho moído, ureia e sal mineral.

Assim como o sal proteinado, você também consegue preparar o proteico energético. O passo a passo você aprende aqui: Receita grátis de Sal Proteico Energético – Boi Saúde.

 

Outros aditivos que complementam o sal mineral

 

Além dos suplementos que têm o sal como base, existem outros disponíveis no mercado. Eles auxiliam a ganhar peso e até mesmo, facilitam o gado a desenvolver um bom rendimento de carcaça.

Entre eles, temos a virginiamicina e a monensina sódica. O uso desses dois aditivos, indicados como melhoradores de desempenho, está ganhando cada vez mais espaço na pecuária brasileira.

Por meio de pesquisas e estudos, aumentam o peso do gado, a partir da atuação no organismo, evitando problemas digestivos, facilitando a absorção dos nutrientes oferecidos na ração e no sal.

Aproveite para esclarecer possíveis dúvidas a respeito desses compostos também que podem ser utilizados paralelamente ao sal mineral.

 

Virginiamicina

A sua meta é aumentar seu lucro em 30%? Se for, a virginiamicina realmente é para a sua pecuária. Essa porcentagem acontece porque esse aditivo que é um antibiótico, que atua direto na eficiência alimentar.

Os produtores que atuam com confinamento, regime a pasto e aplica o método Boi 777 se dão muito bem. A partir da melhora da digestão e também da proteção contra doenças que impactam a absorção dos nutrientes,

O investimento feito ao longo do ano promove uma engorda saudável, que pode ser oferecida desde os animais que atuam na estação de monta, como touros e principalmente matrizes, já que auxilia na recuperação pós-parto, passando pelas fases da cria, recria e terminação.

Para que todas essas melhorias e aumento de renda se torne uma realidade, vá além dessas informações: Virginiamicina: saiba tudo sobre o composto.

 

sal mineral e virginiamicina
O uso do sal mineral aliado à virginiamicina potencializa a produtividade. – Foto: Pexels

Monensina sódica

A monensina é outro melhorador de desempenho. Um dos pontos positivos é fazer o uso próximo ao ponto de abate. Esse aditivo não deixa resíduo no produto, seja carne, seja leite.

Como atua direto nas bactérias gram-positivas, com a função de eliminá-las, causando um impacto direto na eficiência alimentar. Com isso, aumenta o peso do gado.

 

Todas essas informações têm o objetivo de promover uma pecuária lucrativa, a partir do aumento do desempenho do seu gado. Lembrando que o sal mineral sozinho não é capaz de trazer os resultados esperados. Cuide bem da água, ração, aplique as vacinas em dia. Evite as doenças e sofrimento animal ao máximo.

Com a lida em dia, sua propriedade terá sucesso a cada nova safra!

Quer saber mais dicas sobre pecuária?

Confira nosso canal de vídeos com orientações fáceis e de baixo custo. Todas têm um único objetivo: aumentar a sua produtividade. Acesse: Boi Saúde no YouTube.

 

Referência

Suplementação mineral do rebanho de corte. Embrapa Gado de Corte.

Como adicionar ureia no sal mineral e usá-la com segurança? Embrapa Perguntas Frequentes.

 
banner banner
 

Perguntas Frequentes

 

O que é sal mineral?

É um elemento complementar na alimentação, já que supre as necessidades nutricionais não encontradas na ração e na pastagem. A composição é feita a partir da mistura de diversos ingredientes

Qual a dosagem do sal mineral?

Geralmente, a dosagem ideal é o produtor servir entre 60 gramas a 90 gramas por animal adulto por dia.

Qual a dosagem do sal mineral para bezerros?

A dosagem diária de sal mineral deve ser entre 20 a 30 gramas.

Posso oferecer sal mineral com sal proteinado?

Não é indicado. O ideal é que esses dois tipos de sal sejam oferecidos separadamente. Cada um tem uma dosagem diferente. Quando inseridos juntos no cocho, pode acontecer desequilíbrio

 

4 pensou em “Sal mineral: por que, como e quando oferecer ao gado?”

  1. Lucas Sampaio Santos disse:

    Esses dados sâo bom tanto pro grande produtor como pros pequenos produtores

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Lucas, obrigado pelo comentário, continue nos acompanhando!

  2. Muito Importante estes dados para os pequenos e grandes Pecuarista !
    Amo a Raça Nelore !

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Sonnia, obrigado pelo comentário, continue nos acompanhando!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*