IATF de bovinos: tire suas principais dúvidas

Gostou? Compartilhe!

Aderir a IATF na pecuária é a meta de muitas propriedades. Mas o que será que é preciso para implementar esse método de reprodução?

Ter investimento adequado, profissionais especializados e qual o momento certo? Essas são algumas dúvidas a respeito desse tipo de inseminação. A Boi Saúde reuniu as principais dúvidas dos nossos seguidores e produziu este conteúdo para que você alcance a produtividade tão esperada.

O melhoramento genético a cada nova temporada de reprodução está entre as metas das propriedades rurais que buscam alta produtividade e um lucro cada vez maior. Esses dois pontos são alcançados a partir da produção de produtos de excelente qualidade. Para isso, o produtor rural pode aderir a técnicas, como a IATF de bovinos para chegar mais perto da meta.

E desde agora indicamos que você busque profissionais sérios e com boa indicação para esse processo. E também reforçamos que o sucesso da IATF de bovinos depende que a inseminação seja feita seguindo os protocolos. Mas para além disso, todas as atividades da lida têm reflexo direto. E um deles tem relação direta com o que você oferece no cocho para manter a saúde das matrizes e touros em dia.

Vamos tirar as principais dúvidas sobre o tema nas próximas linhas. E caso ainda fique ainda questionamento não respondido, é só deixar um comentário ao fim do texto.

Te desejamos uma ótima leitura e muito sucesso na sua propriedade.

 

Neste conteúdo, você terá acesso aos temas:

 

 

O que é IATF de bovinos?

 

Começando pela pergunta mais básica e que pode ser a dúvida de muitos leitores.

A inseminação artificial em tempo fixo (IATF) é uma técnica que está se popularizando no Brasil. A Boi Saúde tem ciência que nem todos os produtores ainda podem usufruir desse tipo de procedimento para aumento e melhoria do plantel.

Um dos principais pontos é a eliminação da observação do cio das vacas. E até diminuição do intervalo entre as gestações. Se o seu objetivo é aumentar o número de bezerros nascidos na propriedade, esse é um bom método para se estudar a implementação.

O custo ainda é considerado um pouco alto. Caso precise recorrer ao crédito rural, não esqueça de manter suas finanças em dia. Uma planilha própria para o controle de contas na pecuária ajuda muito. Para ter um modelo, clique aqui e receba a sua grátis.

 

Quais as vantagens da IATF de bovinos?

 

  • Lotes com a mesma qualidade genética;
  • O diagnóstico da gestação é mais fácil;
  • Os nascimentos se concentram no mesmo período;
  • Bezerros tem um potencial;
  • Concentração de nascimentos em um mesmo período, lotes mais homogêneos, facilidade no diagnóstico de gestação, controle e descarte de vacas, bezerros de melhor potencial;
  • Planejamento de melhor retorno financeiro;
  • Elimina a necessidade de acompanhar o cio das vacas. Inclusive, se esse ainda  é um problema na sua propriedade, acesse a dica: Como identificar o cio das vacas;
  • Permite inseminar o maior número de vacas ao mesmo tempo.

 

Adequar o protocolo de IATF de bovinos, garante resultados mais satisfatórios. – Foto: Nelore Junqueira

Qual a melhor época para programar a IATF em bovinos?

 

O ideal é que os profissionais envolvidos no procedimento se programem para que a IATF para bovinos seja feita de forma que os bezerros nasçam no período da seca. Sim, isso mesmo.

O período das águas é considerado o melhor para reprodução devido a boa alimentação das matrizes. E na seca, a incidência de parasitas é menor.

Por isso, o melhor é ter um calendário e ter toda as datas bem definidas para que o bezerro nasça em uma época que terá a melhor produtividade e bem-estar animal possíveis.

Os parasitas causam grande prejuízo na produtividade bovina. Se puder, programe a reprodução para o período das águas. Como resultado, além de reduzir as chances de doenças transmitidas por esses serem que vivem em função de outros, no período das chuvas, o organismo das matrizes está mais bem nutrido pelos pastos.

Claro que, a forrageira de qualidade não inibe o fornecimento de uma ração adequada, além de suplementos indicados para garantir um parto sem problemas. Como resultado, bezerros maiores são produzidos.

 

Como fazer um protocolo de IATF na minha propriedade?

 

Em primeiro lugar, a propriedade precisa ter a estrutura adequada, antes de adotar qualquer protocolo de reprodução. Em segundo lugar, selecione muito bem as matrizes que farão parte da inseminação. Se o foco da propriedade é melhoramento genético, é importante que sejam selecionadas e que tenham certificado, de acordo com a raça, além da procedência. Esse processo começa desde o momento da escolha da matriz na compra.

Selecionado quais vacas de cria estão com condições adequadas antes da inseminação evita erros que podem aparecer lá na frente.

Comece escolhendo as com escore indicado para a reprodução: Seleção de matrizes bovinas: escore corporal.

As que, no momento da avaliação, não estiverem adequadas, é possível efetivar uma recuperação. Antes de partir para o descarte, estude bem cada caso. Se precisar de algum apoio ou orientação, acione o veterinário ou zootecnista.

Voltando ao protocolo, uma boa indicação é dividir as fêmeas por lote. Dessa forma, cada lote pode seguir uma etapa diferente. Além disso, as chances de erro são menores. O intervalo entre cada protocolo de IATF pode ser entre 30 e 45 dias.

Inclusive, mesmo se a gestação não for diagnosticada, é possível realizar um segundo protocolo, que é focado no diagnóstico da gestação. Vamos aprender como proceder nas próximas linhas.

 

Como identificar a gestação?

 

Um dos processos de identificação da gestação de vacas que passaram por IATF é a ultrassonografia. Nem todas as propriedades rurais têm esse aparelho, entretanto, os profissionais responsáveis pela inseminação podem realizar esse exame.

A partir do momento que uma vaca é identificada como não prenhe, continua a seguir o protocolo. As que já estiverem prenhas, são direcionadas a manejo adequado para que a saúde e a nutrição proporcionem o resultado esperado: bezerros sadios e geneticamente melhorados.

Outro meio de identificação da gravidez é o cio. Se, mesmo passando pela inseminação, a vaca apresentar o cio, é porque não foi contemplada com o embrião de primeira. Com isso, pode ser direcionada ao lote das vacas que ainda não estão prenhes.

 

 

Alimentação das matrizes

 

Bom, se você optou em investir em IATF, é porque possivelmente, além de mais agilidade na reprodução, pretende melhorar a genética do seu rebanho.

Entretanto, não basta escolher os melhores touros, aqueles selecionados e premiados, se as suas matrizes não estão devidamente saudáveis para gerar animais de qualidade.

Você já refletiu sobre o que as suas vacas de cria comem no cocho? Não só em quantidade, mas em qualidade?

Não tem como manter matrizes produtivas, se a nutrição não está em dia.

Por exemplo, se o seu sistema é a pasto, a espécie e as condições da forrageira, contam muito no reforço nutricional e alimentar das vacas de cria. Ou seja, não adianta você contratar os melhores especialistas em IATF e investir no embrião mais caro do mercado, se o básico dentro da porteira, não é praticado dia a dia.

Mas, então, o que oferecer para garantir uma boa produtividade de vacas de cria? Uma ração que atenda todas as necessidades do organismo que reproduz. Além de alimentar, é preciso reforçar elementos como cálcio e fósforo, que são extremamente importantes na formação do bezerro.

O preparo da receita é muito simples, assim como os ingredientes. O modo de fazer e a proporção de cada item que vai na ração, você encontra aqui: receita de ração para vacas de cria. Vá fundo, clique no link, receba o material preparado pela Boi Saúde e aumenta sua produtividade. E detalhe, você não paga nada por isso.

 

Ração e suplementos: sucesso de uma reprodução

 

O que você precisa, neste momento, é fortalecer as matrizes. Quanto antes da IATF, melhor ainda. E a receita de ração acima é válida também para as matrizes de propriedades que preferem a monta natural. E aproveitamos para ressaltar que os cuidados com a nutrição são os mesmos, independentemente, do método de reprodução escolhido.

Uma boa ração é fundamental, assim como os suplementos, nutre, alimenta, fortalece a saúde e a imunidade. E não só isso. Evita problemas muito comuns no parto. Você sabe quais são eles?

Possivelmente, já ouviu falar sobre a retenção de placenta. Essa situação acontece quando o bezerro nasce e a placenta fica retida na vaca. No entanto, a expulsão precisa ser feita. Ao contrário, a matriz sofrerá sérios danos.

Mais importante que saber o que fazer quando ocorre esse caso, é realizar a prevenção. E de maneira prática, é feita diretamente no cocho.

 

Bezerros de qualidade com partir a qualidade da genética dos reprodutores na IATF de bovinos. – Foto: reprodução/Pecuária Sustentável

Virginiamicina

Ao oferecer virginiamicina para suas vacas de cria, a propriedade melhora a eficiência reprodutiva das matrizes. Ainda, tem chances maiores de prenhez, quando comparadas a matrizes que não fazem uso.

Os bezerros também são beneficiados. Nascem com mais qualidade de desempenho. E chegam com maior peso na fase da desmama.

A virginiamicina é um aditivo utilizado na pecuária, presente nas propriedades que mais produzem no Brasil e no mundo. Entre os objetivos estão a alteração do padrão de fermentação ruminal, proporcionando mais eficiência. Em outras palavras, os animais têm mais energia, resultando em mais produtividade para o gado de corte e de leite.

Acima de tudo, a recuperação pós-parto passa a ser mais rápida, facilitando o planejamento da próxima temporada de reprodução.

 

Bem-estar animal durante a gestação e pós-parto

 

Se você quer animais mais produtivos, precisa trabalhar para merecê-los. A pecuária de alto desempenho é um conjunto de fatores. Além de reprodutores com genética de destaque, uma boa ração e suplementos indicados, o bem-estar animal tem que ser uma condição diária.

Matrizes estressadas não produzem bem. E para evitar ao máximo problemas evitáveis, nada melhor que proporcionar uma vida sem danos e violência. Da mesma forma que cuidar das instalações e pasto, não acumulando lixo, lama e outros dejetos que causam proliferação de bactérias e parasitas.

Para as matrizes que estão no fim da gestação, separar um espaço como pasto-maternidade, as protege de fatores climáticos em excesso como sol forte. E as mantém seguras de outros animais da propriedade, caso os tenha.

O espaço não precisa de muita estrutura. Basta uma cerca, um cocho e um bebedouro. Limpeza com frequência, sombra e, se puder, uma escova para aliviar o estresse.

Conforme você leu, o custo não é alto. E a tranquilidade das vacas durante a gestação e até mesmo no parto promovem segurança e conforto.

 

 

Como escolher touro para melhorar a genética do meu gado?

 

O primeiro passo para aumento da produtividade você acaba de dar! Sim, investir em melhoramento genético só te trará bons resultados. Entendemos que existe o momento certo. Afinal, é preciso ter uma verba para essa melhoria. Uma dica é deixar todo o fluxo de caixa da propriedade em dia. Como resultado, você terá condições de avaliar se está na época de aplicar em genética.

A compra de novos animais exige dinheiro. E quanto mais puro de origem, mais alta é a qualidade e, consequentemente, o investimento.

Além disso, um dos critérios de seleção é a raça. Existem cruzamentos que dão muito certo e que originam bovinos com características de alta produtividade. Para isso, conte sempre com ajuda profissional. Antes de tudo, estude bem cada raça. Em conclusão, cada uma tem individualidades e produzem mais e melhor, levando em conta aspectos como: clima, região, tipo de produção (carne ou leite) e sistema de criação (pasto, confinamento ou semi-confinamento).

 

Lucre cada vez mais!

 

Mais dicas estão disponíveis no YouTube da Boi Saúde. Conteúdos rápidos, em vídeos explicativos, que tiram dúvidas que fazem parte do dia a dia da lida. Acesse, inscreva-se no canal e ative as notificações.

 

Referência

Artigo: A inseminação artificial em tempo fixo (IATF) serve ou não para a minha propriedade? Embrapa.

Pecuária Eficiente. Phibro Animal Heatth Corporation.

GODOI, C.R., SILVA, E.F.P. e PAULA, A.P. Inseminação artificial em tempo fixo (IATF) em bovinos de corte. PUBVET, Londrina, V. 4, N. 14, Ed. 119, Art. 807, 2010.

 
banner banner
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*