Sal para gado: qual a porcentagem na mistura?

Gostou? Compartilhe!

Oferecer o sal para gado é uma atividade essencial para manter uma boa produtividade e o rebanho bem nutrido.

Como o uso é frequente em milhares de propriedades do país, saber a proporção de cada ingrediente para se ter uma mistura de sal faz com que realmente o produtor alcance o efeito esperado.

Neste conteúdo, você vai aprender o objetivo de cada sal, como utilizá-lo e entender a importância dos suplementos para o ganho de produtividade.  Portanto, um lucro maior fará parte da sua propriedade.

Basta seguir as orientações e cuidar de cada detalhe que a pecuária exige. Vamos juntos reforçar a importância do agronegócio brasileiro e faturar cada vez mais alto.

 

 

Quais são os tipos de sal para gado mais utilizados? 

 

Entre os tipos de sal mais utilizados na pecuária, temos o sal mineral, sal proteinado e o sal energético proteico.

Esses três suplementos são muito usados na seca. Porém, a Boi Saúde recomenda o fornecimento durante todo o ano.

Assim, o bovino chegará no período mais crítico do ano com o organismo preparado. E dessa forma, não sofrerá tanto com a falta de pasto. E a perda de peso e carcaça deixará de fazer parte do seu dia a dia.

Nesta dica, você vai aprender qual a porcentagem de cada sal para melhorar o desempenho do seu rebanho. Como resultado, será possível manter uma produtividade sempre em alta.

Aqui, você também terá acesso a informações sobre outros tipos de suplementos que fazem parte da rotina do gado: virginiamicina, monensina sódica e ureia.

Vamos juntos?

 

Porcentagem de mistura de sal para gado

 

Sal mineral

 

O que é esse tipo de sal para gado?

É um sal para gado composto por micro e macroelementos minerais que melhoram a saúde, nutrição e desempenho do gado.

Para se ter ideia do quão nutritivo ele é, separamos alguns componentes:

  • Macrominerais: Cálcio (Ca), Fósforo (P), Magnésio (Mg), Enxofre (S), Sódio (Na), Cloro (Cl) e Potássio (K);
  • Microminerais: Ferro (Fe), Zinco (Zn), Cobre (Cu), Iodo (I), Manganês (Mn), Flúor (F), Molibdênio (Mo), Cobalto (Co), Selênio (Se), Cromo (Cr), Níquel (Ni), Vanádio (V) e Silício (Si).

 

Qual o objetivo do uso?

O sal mineral repõe os minerais não encontrados no pasto, mesmo na época mais abundante das forrageiras. Nem todo solo tem a garantia de ter todos os nutrientes necessários para uma engorda que faça a diferença na balança.

Por isso, a importância da reposição do cocho. O uso é simples, fácil e não exige muito trabalho na lida.

Alguns cuidados são apenas evitar que vire pedra e também acompanhar o consumo.

 

Dosagem do sal mineral 

A dose ideal é que seja entre 60 e 90 gramas. Para saber com 100% qual o índice ideal para a mistura, calcule oferecer em torno de 2% do peso vivo do animal.

Caso essa conta seja muito difícil, te daremos outra alternativa.

A cada 100 quilos de peso vivo, ofereça de 20 a 30 gramas de sal mineral.

Ao oferecê-lo, você pode fazer a mistura com:

Além disso, o fubá quando misturado ao sal aumenta o consumo. Outros itens indicados são melaço em pó ou farelos já prontos que tornam o sal com sabor mais agradável.

Sobre o oferecimento, fique sempre atento ao que o fabricante indica na embalagem. Siga sempre a recomendação descrita para que realmente o efeito esperado aconteça.

 

sal para gado
Sal para gado aumenta a produtividade. – Foto: Fazenda Três de Ouro

Sal mineral com ureia 

Existe uma mistura ideal de sal mineral com ureia.

Como o sal mineral é ideal para a época das águas, quando há mais falta dos micro e macroelementos oferecidos nesse tipo de sal para gado, fique atento aos cuidados de evitar ao máximo que essa mistura molhe.

Esses cuidados conseguem ser dispensados somente no uso de um único tipo de ureia pode ser molhada. Para saber mais, agende uma consultoria grátis.

As demais precisam de cocho com cobertura e furos pequenos para a água não se acumular, formando aquele sopão que causa a intoxicação. E caso aconteça, saiba o que fazer:Tratamento de intoxicação por ureia em bovinos.

Algumas propriedades têm receio de utilizar a ureia, pois já perderam alguns animais. A primeira dica fundamental é utilizar o Total Ureia Premium, o único produto que pode ser molhado no mercado.

Voltando para a mistura, a proporção ideal é:

  • 12kg de ureia;
  • 25kg de sal branco;
  • 10kg de sal mineral;
  • 40kg de farelo de soja;
  • 30kg de milho moído.

São todos ingredientes fáceis e de baixo custo. Alguns deles com possibilidade de produção na propriedade.

 

Armazenamento 

Muitos produtores gostam de adiantar a produção com a finalidade de facilitar o processo. Ao fazer uma compra grande de sal mineral, o preço é mais vantajoso, em alguns casos.

O importante sempre é fazer o armazenamento correto para que o produto não estrague e o prejuízo não aconteça.

A partir da produção, o tempo máximo de armazenamento é de dois anos. Entretanto, atente-se sempre à data de validade indicada pelo fabricante na embalagem.

Outras dicas de conservação, você aprende no link: Tempo de armazenamento do sal mineral para gado de corte.

 

Sal proteinado

 

O que é o sal proteinado?

É o sal mineral complementado com proteínas. Muito utilizado na seca, quando a falta dessas macromoléculas é maior devido a falta chuva. Com isso, anote sempre essa informação: sal mineral nas águas e sal proteinado na seca.

Oferecer sal o ano todo reforça a alta produtividade. Deixa o rebanho imune a doenças que impactam a engorda. E ainda, promove o ganho de peso.

Fazer o sal proteinado é muito simples. Você mesmo consegue fazer sozinho na propriedade.

A proporção dos ingredientes e o modo de preparo, ensinamos neste conteúdo: Como fazer sal proteinado para o gado: a receita.

 

Dosagem do sal proteinado 

O sal proteinado deve ser oferecido na seguinte dosagem: 1 grama a cada quilo vivo.

No caso de bezerros, a dosagem para a mistura é a mesma: 1 grama de sal proteinado por quilo do animal. Caso o peso 80 quilos, a dosagem é 80 gramas por dia, na ração já fornecida.

Se você quiser uma receita pronta, com todos os ingredientes e proporções, acesse a dica: Receita de ração para bezerros.

 

Misturar sal mineral e sal proteinado será que pode? 

Não pode, amigo produtor.

Como lemos nas linhas acima, a dosagem de cada um é diferente. Por isso, a indicação de oferecer até em épocas diferentes.

Caso você sinta a necessidade de oferecer os dois, faça em cochos separados. Dessa forma, evitará que o consumo aconteça em quantidade maior ou menor, de acordo com o recomendado.

Para entender melhor, recomendamos a leitura: Sal proteinado com sal mineral: posso misturar?

 

Sal proteico energético

 

Esse tipo de sal para gado é o ideal para a propriedade que precisa dar um empurrão no consumo da pastagem.

Como na época das chuvas, a oferta de pasto é maior, o produtor que está com dificuldade de aumentar as arrobas por meio do capim, o proteico energético passa a ser uma boa estratégia.

Entre os ingredientes de uma mistura considerada ideal temos: farelo de soja, sal mineral, ureia, milho moído, além de outros.

Assim como o sal proteinado, o produtor também consegue produzir o proteico energético na propriedade.

 

 

As proporções de cada item que compõe a receita e a forma de preparo serão enviadas para você agora mesmo: como fazer o sal proteico energético na propriedade.

 

Qual o melhor horário para oferecer sal para gado? 

 

Nos horários mais frescos do dia, ou seja, de manhã e ao fim da tarde.

Quando estão com muito calor, o gado fica desconfortável e não come da mesmo forma quando está se sentindo bem.

Por isso, ofereça sempre o sal e a ração nestes horários: antes das 10h da manhã e após às 4 horas da tarde.

Em regiões muito quentes, plantar árvores para que o gado se abrigue nos períodos mais quentes do sol garante uma proteção contra o estresse térmico.

É uma alternativa barata e que ainda rende alguns frutos, dependendo da espécie escolhida.

Outra opção é a construção de galpões. A proteção passa a ser dupla: sol e chuva.

 

Existe um modelo de cocho para oferecer sal para gado? 

 

O melhor modelo é aquele que você tem hoje na sua propriedade. O importante é que ele esteja em um estado adequado. Começando pelo tamanho que precisa comportar todos os bovinos ao mesmo tempo.

Sobre a altura, a Embrapa recomenda que seja entre 50 e 60 centímetros.

O material, desde que bem conservado, vale madeira, plástico, cimento, pneu.

Além da manutenção, foque na limpeza dentro do cocho e ao redor. Evite a lama ao máximo. O acúmulo dela causa doenças como a do casco.

Quando o gado desenvolve problemas que impedem o deslocamento da maneira mais adequada, chegar até o local onde o cocho está fica mais difícil se alimentar como se deve. Então, cuide sempre da limpeza.

Complemente a leitura:

 

Você beberia a água que oferece para seu rebanho? 

 

Além de decidir e oferecer cada tipo de sal, a água que abastece o bebedouro faz parte de todo o progresso que os suplementos melhorem a sua produtividade.

Manter o reservatório limpo, com a água ideal pra consumo sem cor, sem cheiro e sem sabor faz parte da boa pecuária.

A quantidade também precisa ser monitorada. Quanto mais cabeças, mais litros precisam estar disponíveis.

Cada fase de criação consome uma quantidade diferente. Na fase da cria, por exemplo, calcule pelo menos uma média de 25 litros por dia.

Na recria, entre 30 e 50 litros. E na terminação, a fase que mais varia o consumo, entre 70 e 79 litros. Para não prevenir que o bebedouro fique sem água, monitore a quantidade média de litros.

Assim, os animais ficarão sempre hidratados e sem chance de perda de peso.

 

sal para gado
Sal para gado e água de qualidade são aliadas do produtor rural. Foto: Fernando Rubbertank

Não esqueça dos complementos no sal para gado

 

Prometemos lá no começo desse texto abordar mais sobre a virginiamicina e ureia. Chegou o momento.

A virginiamicina e a ureia são ótimas aliadas aos tipos de sal. Sozinhas elas têm resultados, mas com esses dois complementos, a engorda é muito satisfatória.

Se você ainda não faz o uso da virginiamicina, pode começar a refletir sobre a importância dela no cocho.

Animais à pasto e em confinamento podem usufruir desse composto antibiótico que auxilia na absorção dos nutrientes e vitaminas.

Outro benefício é a prevenção da acidose que faz com que o animal tenha desconforto e não consuma a quantidade ideal de ração diariamente.

Caso tenha se interesse em obter mais conhecimento, te indicamos a seguinte leitura: Uso da Virginiamicina na fase de engorda de bovinos de corte. 

Com o uso da virginiamicina, a engorda acontece por dia e se você ainda é adepto do Boi 777, as vantagens são maiores ainda. Esse método dá condições para o ganho de 21 arrobas em 24 meses.

Seguindo os passos adequados, a propriedade produz um rendimento de carcaça de alto nível e ainda com condições de negociar na entressafra. Entenda como obter sucesso no conceito com a orientação gratuita da Boi Saúde: Como alcançar o sistema boi 777.

 

Sobre a ureia 

 

A ureia continua sendo muita utilizada na seca. Entretanto, ofereça nas águas também. Não esqueça dos cuidados obrigatórios para evitar a intoxicação do gado.

Cobertura no cocho e furos pequenos para que a água da chuva não fique acumulada evitam sérios problemas na saúde dos bovinos.

A mistura ideal é até 50 gramas de ureia mais 10 gramas de sulfato por animal/dia. Não ultrapasse essa dosagem.

Inclusive, você pode adicioná-la ao sal proteinado: Como usar sal proteinado com ureia. 

 

Cuide sempre do seu gado com dedicação. Os resultados aparecem a olhos vistos e quem sabe, na próxima entressafra, você terá condições de comercializar os animais com um bom preço.

Mais dicas sobre com aumentar seu lucro na pecuária estão disponíveis em nosso canal. Acesse e entenda como melhorar seus resultados: Boi Saúde no Youtube. 

 
banner banner
 

Crédito foto da capa: Fazenda Redentor

8 pensou em “Sal para gado: qual a porcentagem na mistura?”

  1. EdleuzaGonçalves disse:

    informações preciosas, parabéns, vou acompanhar de endiante

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Edleuza, muito importante para a nossa equipe esse comentário! Estamos aqui para facilitar o acesso à informação para que nossa pecuária seja cada vez mais forte! Muito obrigado por estar com a Boi Saúde.

  2. Muito obrigada pelas sugestões está sendo muito bom ter esses conhecimentos

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Jacinta, obrigado por nos acompanhar. Conte sempre com a Boi Saúde!

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá José, obrigado pela pergunta, sugiro que envie um e-mail para “contato@boisaude.com.br” para que possa obter uma resposta completa! Continue nos acompanhando, abraços!

  3. Uylha Soares de Oliveira disse:

    Parabéns muito bom as instrução e dicas Deus abençoe seus trabalhos

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Uylha, obrigado pelo elogio, continue nos acompanhando!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*