Carbúnculo no gado: o que é e como prevenir

Gostou? Compartilhe!

O carbúnculo é uma doença que atinge os animais. Como nosso conteúdo é focado em gado, aqui você saberá o que é, o impacto na produtividade e como proteger seu rebanho.

Manter o gado protegido de doenças é uma obrigação do produtor.

Mais que manter a produção sem danos, evita que os animais sofram. Além disso, não podemos deixar de mencionar os prejuízos econômicos quando o rebanho adoece.

Afinal, algumas doenças demandam custos com medicamentos, veterinários, exames e até cirurgias. Existem ainda os problemas de saúde que não tem cura. Fora aqueles que se desenvolvem rapidamente, sem dar tempo para diagnóstico e cura, por exemplo.

Por isso, focando na sua produtividade e desempenho, a Boi Saúde selecionou as principais perguntas e respostas sobre carbúnculo no gado.

Esperamos que ajude a tirar as dúvidas e que o sucesso faça parte da sua rotina!

Te desejamos uma ótima leitura. Qualquer dúvida, escreva nos comentários que, em breve, iremos responder!

 

Neste conteúdo, você terá acesso aos temas:

 

 

Perguntas e respostas sobre carbúnculo no gado

 

O que é carbúnculo sintomático?

Já ouviu falar na conhecida manqueira? Essa doença tem o nome de carbúnculo. A transmissão é feita por bactérias. Elas atingem o baço, fígado e o aparelho digestivo do bovino. O nome científico da doença é Clostriodiose bovina.

Em primeiro lugar, você precisa saber que o carbúnculo é uma infecção causada pelo agente Clostridium Chauvoei. Quando atinge o bovino, se manifesta com sintomas que vamos entender nas próximas linhas. A evolução acontece de forma muito rápida.

Em segundo lugar, é considerada uma doença endêmica. Ou seja, ela se manifesta com frequência no Brasil. O índice de letalidade no nosso país, quando o animal vai a óbito, é muito alto.

Atinge principalmente bezerros entre quatro meses e jovens bovinos na faixa dos três anos. Se a sua propriedade atua com essa faixa de idade, fique muito atento.

 

Como é transmitida?

A transmissão é feita pela bactéria Clostridium Chauvoei que pode ser encontrada no pasto. Por mais que um bovino não passe para o outro, a pastagem é um foco importante. Ou seja, se um bovino apresenta os sintomas, os demais também podem estar contaminados.

Caso os animais estejam com feridas e cortes, a bactéria pode contaminar via a abertura. Sendo assim, os animais que não são vacinados contra a doença são os mais atingidos.

A Embrapa indica que os organismos que transmitem a doença têm potencial para permanecerem longos períodos no solo. Essa informação pede que o sinal de alerta seja ligado. Ainda, além dos bovinos, os humanos também têm risco de serem contaminados.

 

É uma doença grave?

Sim. O índice de mortalidade é alto. Os animais que são contaminados têm mais chances de virem a óbito do que se recuperem. Essa informação nos mostra a gravidade da doença.

O animal pode morrer entre 12 e 36 horas do aparecimento dos primeiros sintomas. No entanto, é possível que bovinos morram sem nem mesmo apresentar sinais da infecção.

É uma doença tão grave que pode estar classificada entre as que causam morte súbita no gado.

Saiba mais: Morte de bovinos: 5 causas de morte súbita.

 

O diagnóstico é feito como?

Por meio das feridas apresentadas, analisadas pelo profissional formado em Medicina Veterinária, por exemplo. Ou pelo exame de necropsia, que avalia a causa da morte.

 

Passa de um bovino para o outro?

Não é contagiosa. No entanto, por ser transmitida por bactérias que podem estar presentes no pasto, ao consumi-lo, mais de um boi ou vaca pode ser infectado.

 

Acontece em qual idade do bovino?

Pode se manifestar entre os quatro meses e os três anos. Isso significa que jovens animais são o foco da doença.

 

carbúnculo
Vacinar contra o carbúnculo desde bezerros garante proteção e saúde aos animais. – Foto: Alexandre Strang Ciasca.

O carbúnculo ocorre mais em qual época do ano?

 

Geralmente, se manifesta nos meses mais quentes do ano. Portanto, não esqueça do manejo do pasto. Cuidar da saúde da pastagem durante o ano todo exige planejamento. Ou seja, faz parte de uma pecuária de sucesso.

Entretanto, essa tarefa de manter sempre o pasto limpo e em boas condições de consumo, não descarta a principal demanda de aplicação de vacinas, conforme veremos mais à frente. 

 

Quais são os sintomas?

 

 Lesões que além dos membros podem surgir na língua e músculos cardíacos. Além do peitoral e no úbere no caso das vacas. Febre é outro sinal.

Mesmo que a doença tenha o nome popular de manqueira, precisamos reforçar que ao ver que o animal está com dificuldade de se locomover, acione o veterinário que atende sua propriedade.

Inchaço nos membros também é apresentado. Em casos mais evoluídos apresentam gangrena e necrose na região.

Além disso, a perda de apetite é outro sinal. Caso o gado não esteja se alimentando direito, investigue. Quando o bovino não come é sinal de que algo não anda bem e pode ser indício de várias outras doenças. Não apenas o carbúnculo.

Você pode acompanhar o consumo, avaliando o escore do cocho, por exemplo.

Aprenda a fazer a leitura: Como medir o escore de cocho?

 

Existe algum outro tipo de carbúnculo?

 

Sim, existem dois tipos. Além do carbúnculo sintomático que citamos ao longo do texto, temos o carbúnculo hemático.

O carbúnculo hemático é uma doença febril. O agente causador é o Bacillus anthracis.

A característica é hemorragia. Como resultado, pode causar morte súbita.

Ou seja, ao ser encontrado morto, com espuma de sangue escuro na boca, a causa por carbúnculo hemático entra como suspeita.

A transmissão é feita via solo contaminado. Sendo assim, a água e o feno com o agente causador são focos. Além disso, outra fonte é a farinha de carne e ossos. Essa última é considerada um alimento proibido para o gado. Verifique: Intoxicação alimentar em bovinos: alimentos proibidos.

A vacina é uma prática e segura de prevenção.

 

 

É possível proteger o gado do carbúnculo?

 

Com certeza! A vacina é a principal forma de prevenção da doença.

O gado de corte e o de leite precisam passar pela vacina. Por isso, siga o calendário vacinal indicado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. O nosso órgão regulador conhecido pela sigla MAPA.

Acima de tudo, elabore um calendário para não perder nenhuma data é importante. Inclusive, a vacina de carbúnculo é obrigatória no Brasil. Para saber informações sobre a aplicação, confira: Clostriodiose bovina: prevenção é feita com vacinas para gado.

As dosagens devem ser aplicadas nos seguintes períodos:

No gado de leite, a primeira dose é aos três meses. A segunda aos quatro meses. A seguinte aos 12 meses. Feitas todas essas etapas, a dose passa a ser anual. E ainda, a 60 dias antes de cada parto.

Já no gado de corte, a primeira dose também é aos três meses de vida. Depois, o reforço acontece no momento da desmama. Seguida da dose aos 12 meses. Consequentemente, uma vez ao ano. E para as vacas de cria, 60 dias antes do parto.

Se a desmama é um processo que seus bovinos irão passar em breve, não deixe de ler: Qual peso e momento certos para desmama de bezerros?

A propriedade ou a região onde se encontra apresenta surto? Então é indicado que os bezerros de até dois anos sejam vacinados. A repetição pode ser feita após quatro semanas, por exemplo.

 

Siga sempre o calendário vacinal

 

Não importa a doença, as vacinas devem fazer parte da rotina de manejo da sua propriedade. É um método seguro e eficaz para prevenir os problemas de saúde que mais causam perdas econômicas no setor.

Quando o produtor se planeja, a aplicação mais a compra das vacinas cabe dentro do orçamento. Pense que gado vacinado protege a saúde do gado e também do seu negócio.

No momento de desenhar o ano, ação que geralmente acontece entre outubro e novembro, já faça um planejamento para fechar o gado e aplicar as doses de cada vacina. Se você precisa contratar funcionários extras para essa demanda, quanto antes estiver preparado melhor. Afinal, contratar os peões antecipadamente te garante muito mais tranquilidade. Dessa forma, sua produtividade só tem a ganhar.

Para facilitar sua lida, siga o calendário que divulgamos neste conteúdo: Calendário sanitário para bovinos: como planejar.

 

Mas por que vacinar o gado é tão importante?

Além de salvar a vida dos bovinos, as vacinas também protegem a saúde dos consumidores dos produtos de origem animal, como carne e leite. Os compradores de carne brasileira no exterior, certamente exigem o certificado de vacinação. Esses já são bons motivos para manter a vacina em dia, não é mesmo?

Preservar a vida e a saúde dos bovinos faz parte do bem-estar animal. Esse conceito está cada vez mais em evidência na pecuária brasileira e traz bons resultados.

Quando os animais são bem tratados, evitando ao máximo dor e sofrimento, a propriedade só tem a ganhar. Gado com medo, estressado e doente não é sinônimo de um negócio de sucesso.

Aliar atividades da lida e um cuidado com respeito ao seu rebanho é meio caminho andado para uma alta lucratividade.

 

Planeje bem os meses de compra da vacina

Mais que ter mão de obra suficiente, os insumos que serão aplicados e os instrumentos que serão utilizados, precisam estar em dia.

No momento da compra da vacina, não importa qual seja, confira sempre:

  • A data de validade;
  • A dosagem certa para que todos os animais que serão alvo daquela aplicação recebam o insumo;
  • O modo certo para conservá-la. Cada tipo de vacina demanda um cuidado diferente.
  • Em caso de dúvidas, peça apoio ao veterinário da sua confiança.

Quanto ao custo, depende muito do número de cabeças e também de cada vacina. O importante é sempre manter um fluxo de caixa ativo e se programar para esta compra.

E como você faz esse controle do que entra e sai do caixa da sua empresa? Todas as contas, desde a conta de água, luz, ração, pagamento de funcionários precisam ser contabilizados. Como resultado, você saberá realmente o seu lucro e terá condições de fazer um planejamento mais focado na sua meta.

Você tem condições de resolver esse problema de contabilidade agora mesmo! Clique aqui e baixe grátis uma planilha de controle de contas própria para a pecuária.

 

vacina de carbúnculo
A vacina de carbúnculo é o principal método de prevenção. – Foto: Ian Figueiredo

Não esqueça do básico

 

Além das vacinas que evitam as doenças graves, promover uma pecuária de sucesso inclui diversos outros fatores básicos que juntos resultam em sucesso ao fim da safra.

Começando pela raça escolhida para a produção. Por mais que a Nelore seja a que domina 80% do rebanho nacional, temos muitas outras que se adaptam às nossas regiões com climas diferentes. Depois disso, a estrutura conta muito. Em outras palavras, curral, cocho, galpão, tronco, são todos elementos que precisam atender e facilitar todas as atividades previstas.

Entre as prioridades está a alimentação, um dos tópicos responsáveis pela engorda. Você está satisfeito com a qualidade da ração que oferece para seus animais? Pois não basta manter o calendário vacinal em dia, afastar o carbúnculo, e deixar o básico para trás.

 

Receita de ração e suplementos

 

Aproveite que você está aqui com a Boi Saúde, adquirindo conhecimento para melhorar seus resultados e confira as nossas receitas de ração para gado, de acordo com a fase:

 
Da mesma forma, direcione uma atenção especial também para os suplementos. Em primeiro lugar, eles complementam a nutrição não encontrada no pasto. Em segundo lugar, evitam a perda de peso em épocas sem chuvas. Pasto, semi-confinamento ou confinamento, independentemente da sua escolha, os suplementos facilitam, aumentam o desempenho e favorecem o ganho de arrobas. Entenda mais:

 

 

Continue com a Boi Saúde

 

Por fim, conseguiu esclarecer suas dúvidas sobre carbúnculo, amigo produtor? Deixe seu comentário. Vamos gostar muito de saber a sua opinião sobre o tema que trouxemos aqui.

Aproveitamos para agradecer a sua leitura! Compartilhe com seus amigos! Vamos juntos fortalecer nosso agro!

Para mais dicas sobre pecuária, acesse nosso canal de vídeos. Lá, você encontra muito mais conteúdo. Os temas são sobre produtividade e lucro da produção de gado. Acesse: Boi Saúde no YouTube.

 

Referência: 

CARBÚNCULO SINTOMÁTICO EM BOVINO (“MANQUEIRA”). REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA – ISSN: 1679-7353. Ano VI – Número 10 – Janeiro de 2008 – Periódicos Semestral.

Vacinação, a importância das boas práticas e a prevenção de doenças de interesse em bovinocultura. Comunicado técnico 122. Embrapa Gado de Corte.

Clostridioses em Bovinos. Capacitação Continuada de Técnicos da Cadeia Produtiva do Leite. Embrapa, 2011.

 
banner banner
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*