Mastite bovina: evite a queda na produção de leite

A prevenção da mastite bovina, que ataca mais de 30% da pecuária leiteira, é fundamental para evitar a perda de leite e garantir a saúde do animal.

 

 

Pesquisas indicam que 30% da pecuária leiteira do Brasil é acometida pela mastite bovina, o que afeta diretamente de 12% a 15% da produção da propriedade. Essa doença consiste na inflamação da glândula mamária por diversas causas, entre elas, as bactérias estreptococos e estafilococos e coliformes.

 

mastite bovina - Mastite bovina: evite a queda na produção de leite
Mastite bovina: evite a queda na produção de leite – Foto: Boi Saúde – Pecuária Inteligente

Essa doença é classificada em dois tipos:

Mastite subclínica: quando os efeitos não são visíveis e tem como um dos sintomas a queda na produção e qualidade do leite. É o tipo que mais acomete o gado no Brasil. É um sinal antes da manifestação do tipo clínico.

Mastite clínica:  aquela que causa um edema visível a olho nu, com saída do pus no leite. Além de endurecimento e apresentação de dor na vaca. Nesse caso, a queda na produção se dá pela inibição de alimentação do animal, além da desidratação.

Muito mais que tratar a mastite, a prevenção é fundamental para que o impacto da doença seja o menor possível na saúde do animal.

 

Dicas para prevenção da mastite bovina

 

  • Muito cuidado com a higiene no momento da ordenha, seja manual, seja  mecânica. Lave sempre os utensílios utilizados com cloro antes e depois. Os profissionais que atuam nessa atividade devem lavar bem as mãos e usar roupas limpas. De preferência, utilizar aventais exclusivos para essa finalidade;
  • Durante a ordenha, caso algum animal esteja com mastite, separe-o dos demais. Faça primeiro a ordenha dos outros e por último da vaca acometida, assim o risco de contaminação via utensílios será baixo.
  • Todas as vezes que a ordenha for terminada, alimente seus animais. Isso faz com que o gado permaneça em pé. O contato do teto com o solo logo depois da ordenha facilita a contaminação. E durante essa alimentação em pé proporciona o fechamento natural do orifício, bloqueando a doença.

 

Para complementar a dica, acesse: Como economizar com medicamentos para bovinos

Acesse também o canal da Boi Saúde no Youtube

 
Total Leite Premium - Mastite bovina: evite a queda na produção de leiteTotal Leite Premium mobile - Mastite bovina: evite a queda na produção de leite
 

🔴 O que causa a mastite bovina?

Essa doença consiste na inflamação da glândula mamária por diversas causas, entre elas, as bactérias estreptococos e estafilococos e coliformes.

🔴 Como saber se a vaca está com mastite?

A febre é um sintoma inicial da mastite. Quando o produtor perceber que o animal está mais quente que o habitual, principalmente no focinho, pode já fazer uma análise das mamas. Caso o úbere esteja avermelhado, com características de inflamação, pode ser realmente mastite. Além disso, a produção de leite não só cai, como também o líquido pode apresentar pus ou sangue.

🔴 Qual o melhor tratamento para mastite bovina?

Atualmente, o mercado farmacêutico veterinário dispõe de vários medicamentos de fácil uso e com soluções rápidas. Pomadas antibióticas podem ser aplicadas direto no local afetado, inclusive, dependendo da marca, em uma única dose.

🔴 Qual a diferença de mastite clínica é subclínica?

A mastite clínica causa um edema visível a olho nu, com saída do pus no leite, já a mastite subclínica os efeitos não são visíveis e tem como um dos sintomas a queda na produção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*