Pré e Pós Dipping são boas escolhas na pecuária leiteira?

Gostou? Compartilhe!

A higiene é fundamental na pecuária leiteira. Mais que garantir um produto de boa qualidade e sem riscos de contaminação, previne doenças graves, como a mastite nas vacas. Entre os processos de prevenção, estão o pré e o pós dipping. Se você ainda não os conhece, não tem problema. Nesta dica, iremos explicar o que é cada um e se é boa alternativa para sua propriedade.

A mastite e infecções nos tetos são grandes responsáveis por prejuízos na produção de leite no mundo todo. O protocolo de higiene não deve ser administrado apenas no momento, mas a todo momento e lugar onde as vacas transitam. O pré e o pós dipping se baseiam no uso de produtos para desinfetar os tetos antes da ordenha. Casas e lojas especializadas em pecuária já comercializam os produtos prontos, para antes e depois da ordenha.

Se  mastite for um problema na sua propriedade, indicamos a leitura da dica: mastite em vacas: o que é, como tratar e prevenir.

 

Pré dipping na pecuária leiteira 

 

O pré-dipping consiste na desinfecção dos tetos antes da ordenha e visa reduzir o número de bactérias neste local que possam contaminar o leite. O procedimento consiste na imersão dos tetos em soluções antissépticas (iodo a 0,1 a 0,5%, cloro a 1% ou clorexidina 0,1%) por cerca de 10 segundos, de modo a diminuir a carga de microrganismos residentes no local.

 

pecuária leiteira
Pecuária leiteira tem características de higiene específicas. – Foto: reprodução/IBS

Pós dipping na pecuária leiteira 

 

O pós dipping é fundamental para remover a película de leite que permanece no teto após a retirada do conjunto de ordenha e auxilia na prevenção de infecções neste canal, recomenda a imersão de todos os tetos ao final de cada ordenha (pós dipping), em produtos antissépticos por cerca de 5 a 10 segundos. Esse procedimento é útil principalmente na prevenção da mastite por microrganismos contagiosos. Os princípios ativos mais utilizados são: iodo (0,5 a 1%), cloro (4%), clorexidina (0,5 a 1%).

Para se aprofundar mais no assunto, acesse: higiene na ordenha: o que fazer antes, durante e depois.

Acesse também o canal da Boi Saúde no YouTube

Referência: 

LOCATELLI, Jaíne Fernanda Pires. IMPORTÂNCIA DO PRÉ-DIPPING E PÓS-DIPPING NO CONTROLE DA MASTITE BOVINA. FATEC de Botucatu. São Paulo, 2016.

 
banner banner
 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*