Gado no pasto é atividade rentável no Brasil

Criar gado no pasto é uma das principais atividades da pecuária no Brasil. Para se ter rendimentos com boa margem de lucro, é necessário seguir alguns processos. Você sabe quais são eles?

Para iniciar uma produção de gado de corte, é necessário investimento. Como o foco é ter um retorno financeiro, tenha muito bem estruturadas as suas despesas. Dessa forma, saberá o equilíbrio entre receita e despesa.

Mesmo criados a pasto, os animais precisam de cuidados. Não mantê-los soltos. Para se ter o retorno esperado, é preciso seguir cuidados.

Raça, forrageira, uso de aditivos, controle de parasitas. Além de vacinas, bem-estar animal, temperatura. Como estão todos esses tópicos?

Vamos conferir se sua propriedade está seguindo o que é necessário?

 

Como lucrar com gado no pasto 

 

Raça

 

A raça adequada para o pasto faz toda a diferença quanto ao resultado.

A mais produzida no Brasil é a Nelore. Porém, existem outras que já bem estabelecidas por aqui.

O importante é que seja adequada para a produção em questão. E que as características facilitem o manejo e a produtividade.

 

Pasto 

 

Seu pasto de hoje atende as necessidades do gado? E não só apenas quanto a alimentação. Mas sobre nutrientes.

Mais que matar a fome, o gado no pasto precisa engordar.

Você segue as seguintes táticas:

Altura do pasto – para entrada, o ideal é que seja de 90 cm. Assim, haverá condições de rebrota.

Respeite a lotação – 100 animais por lote. E nenhum a mais. Esse número garante a preservação do pasto. Além disso, condições de todos se alimentarem em quantidade suficiente. Confira: Taxa de lotação de pastagens: quantos animais por lote?

Adubo e fertilização – são responsáveis pela qualidade do pasto. Faça a manutenção periódica que os danos serão reduzidos.

Limpeza – manter o espaço sem lixo, lama e, principalmente, parasitas. Esse último merece destaque especial.

 

Controle de parasitas 

 

Chegamos a um ponto muito importante. Os parasitas causam prejuízos financeiros enormes por ano.

Carrapatos, bernes, moscas adoecem os animais. Dor, sofrimento e queda na produtividade. Infelizmente, esse é o cenário de uma propriedade acometida por parasitas.

Sem contar com os cupins e as cigarrinhas que atacam o pasto, tornando-o improdutivo.

Por isso, estabelecer um control efetivo é fundamental.

Mais que combater, prevenir é possível.

Dessa forma, evita-se o uso de medicamentos e privilegia o bem-estar animal.

 

gado a pasto 1024x1024 - Gado no pasto é atividade rentável no Brasil
Gado a pasto com rentabilidade é possível. – Foto: Fazendas Ribeirão

Curral 

 

Não importa o modelo. A estrutura precisa atender as necessidades do manejo.

Vacinas, exames, vermifugação e outros processos. O espaço deve ser confortável. E ainda, ter estrutura para todos os animais que ali estarão.

É outro local que precisa de higiene. Manter insetos que causam doenças é mais que essencial. Principalmente, as moscas: Como eliminar moscas no curral do gado.

Para se adequar, não perca a dica: Curral para bovinos: dicas para melhorar sua produção.

 

Cocho 

 

Como você abastece seu cocho? E indo além, o que é oferecido nele?

Por mais que a criação seja de gado no pasto, ter suplementos e aditivos do cocho auxiliam na meta da engorda.

O sal mineral e o sal proteinado são muito utilizados na seca. Porém, o uso durante todo o ano proporciona melhoria no peso. E consequentemente, evitam perdas na ausência do pasto.

Para saber mais sobre sal mineral, clique: Por que não usar apenas sal mineral para bovinos na seca?

Agora, se quiser produzir seu próprio sal proteinado, confira como preparar: Como fazer sal proteinado para o gado: a receita.

Existe também a ureia. Com bom custo benefício, potencializa a nutrição dos animais. No entanto, fique atento ao que é necessário para evitar a intoxicação. Acesse: Tudo sobre ureia para bovinos: confira os cuidados

Um aditivo que tem resultados satisfatórios é a virginiamicina. Esse suplemento facilita que todos os nutrientes sejam absorvidos. Com isso, o gado engorda de forma mais rápida.

Outro benefício, é a atuação no pH ruminal. Evitar problemas de saúde como acidose e timpanismo está entre as vantagens.

Se interessou? Concentrado para bovinos de corte com Virginiamicina. 

 

Temperatura 

 

A frase “sombra e água fresca” cabem muito bem na pecuária.

Mesmo criados a pasto, os animais precisam de sombra.

A temperatura tem impacto direto na engorda. O estresse térmico faz com que o gado não coma.

E o que acontece com bovino que não se alimenta? Consequentemente, não engorda.

É uma justificativa e tanto, concorda?

A sombra pode ser implementada de uma maneira bem simples. O plantio de árvores é uma estratégia barata e que resolve o problema.

Ainda não te convencemos?

 

Vantagens 

 

Todas as fases podem ser criadas a pasto. Cria, recria, terminação têm engorda e boa projeção de engorda.

O pasto é a principal base alimentar e de engorda dos bovinos.

As chances de contaminação por doenças virais é menor.

Pequenas propriedades podem iniciar a produção.

É possível atuar com o confinamento na seca. Por exemplo, no sistema semi-confinamento.

A seca pode ser vencida com suplementos no cocho.

 

Quer alavancar sua produtividade? Saiba mais: Gado a pasto com grande rentabilidade.

Se você gostou dessa dica, não esqueça de deixar seu comentário.

E ainda, acesse nosso canal de vídeos: Boi Saúde no YouTube.

 
SAL PROTEICO ENERGÉTICO - Gado no pasto é atividade rentável no BrasilSAL PROTEICO ENERGÉTICO MOBILE - Gado no pasto é atividade rentável no Brasil
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*