fbpx

Morte súbita em bovinos: 5 principais causas

A morte súbita em bovinos acontece e é um dos grandes problemas da nossa pecuária. Produtores ao irem para a lida encontram animais sem vida, que no dia anterior, não apresentavam nenhum problema. Se você já passou por essa situação ou quer evitar ao máximo essa cena, aprenda quais são as principais causas para preveni-las.

Mas o que é morte súbita? É quando uma morte acontece de forma inesperada sem sinais de que algo não estava bem com o animal ou até mesmo pessoa. Sabe aquele famoso “morreu do nada”, aparentemente sem nenhuma explicação e de forma inesperada? Essa é a definição de uma morte considerada súbita.

As causas muitas vezes são desconhecidas ou misteriosas, mas geralmente são causadas por doenças que atuam de forma silenciosa no organismo do gado. Aprenda aqui com a Boi Saúde quais são elas.

 

5 principais causas da morte súbita em bovinos

  1. Intoxicação;
  2. Botulismo;
  3. Timpanismo;
  4. Enterotoxemia
  5. Raios

1 – Intoxicação 

A intoxicação está entre as principais causas de morte súbita de bovinos. Existem dois fatores muito relevantes que devem ser considerados: plantas tóxicas e ureia. Vamos abordá-los agora para que você absorva ao máximo os cuidados:

Intoxicação de bovinos por plantas tóxicas 

O perigo das plantas tóxicas na pecuária é real. As plantas surgem em todos os lugares e algumas têm substâncias que fazem mal ao gado. Uma delas é a samambaia, muito comum na nossa fauna.

A intoxicação de bovinos por samambaia acontece quando o gado come essa espécie de plantas que contém substâncias que causam diversos tumores como na bexiga, nas mamas e também no intestino, além da hemorragia.

Quando o broto da samambaia é consumido, as chances de intoxicação são ainda mais altas, pois o nível de substâncias tóxicas é bem maior, quando a samambaia está nessa fase. Para evitar esse problema, programe limpeza frequentes nos pastos e elimine qualquer presença de plantas tóxicas por onde o gado circula.

Intoxicação de bovinos por ureia 

Esse é um medo que já tirou o sono de muitos produtores. A perda de cabeças de gado por ureia não é raro, mas isso acontece pelo manejo não seguir o que é indicado pelos especialistas.

As principais causas de intoxicação de bovinos por ureia são:

  • Consumo do sopão – água da chuva acumulada no cocho com ureia;
  • Quando o gado consome a quantidade acima do indicado por dia. A dose diária é de 49 gramas por dia/cabeça;
  • Depois da lida, quando os bovinos consome a ureia famintos. Nesse caso, o ideal é oferecer a ração e só depois a ureia;
  • Logo no início do oferecimento, a dosagem começa com 49 gramas/dia, sem a fase de adaptação necessária.

Para que a morta de súbita de bovinos por ureia não aconteça na sua propriedade, siga as orientações:

  • Vai servir ureia? Tenha um cocho coberto na propriedade. Faça pequenos furos no fundo e insira uma rede fina para evitar que a ureia escape e ao mesmo tempo que a água da chuva não acumule, formando o sopão;
  • Quer evitar todos esses problemas e ainda usufruir dos benefícios que a ureia proporciona? Adote o uso do Total Ureia Premium, único produto que não precisa de adaptação e mesmo molhado pode ser consumido no cocho pelos animais, não causando intoxicação. Quer saber mais? Chame a gente no whatsapp clicando aqui.

Os demais precisam de todos os cuidados. E outro alerta: a única ureia que pode ser oferecida para o gado é a ureia pecuária. As demais não são indicadas para consumo bovino.

Se você oferece ureia, ter cocho coberto evita a morte súbita do rebanho.
Se você oferece ureia, ter cocho coberto evita a morte súbita do rebanho.

2 – Botulismo 

O risco de botulismo bovino é alto em diversas situações. É outro problema que também está direto no noticiário pela perda de muitas cabeças de gado.

A doença da vaca caída deixa o animal debilitado, a partir da bactéria Clostridium botulinum. Esse ser tão pequeno e invisível a olho nu, causa um grande estrago na pecuária. Encontrada no lixo, restos de animais mortos e água contaminada, esse último conhecido como botulismo hídrico, quando acomete o gado, as chances de sobrevivência são poucas, pois não existe tratamento.

Saber como prevenir o botulismo em bovinos, garante bem-estar aos animais e evita prejuízos financeiros. Para isso:

  • A principal arma é a vacina de botulismo bovino. Então, não perca o calendário sanitário e aplica a dose quando indicado e na quantidade indicada pelas autoridades como o MAPA;
  • Assim que um animal demonstração comportamento fora do normal, apresentando quedas e não conseguindo ficar em pé, acione o veterinário para rápido diagnóstico;
  • Não deixe lama na propriedade rural, lixo, carcaça de animais na propriedade e que os animais tenham acesso;
  • Cuidado com a forma de armazenamento do sal que você oferece, assim como a ração. Quando contaminados pela bactéria também podem causar danos ao gado.

 


banner banner
 

3 – Timpanismo 

Quando os bovinos ficam com estufamento, uma das primeiras suspeitas é o timpanismo, principalmente se a base alimentar é grãos e o sistema for confinamento.

Animais que têm leguminosa na dieta e/ou alimentos ricos em saponina, pectinas ou taninos, também estão sujeitos a desenvolver a doença.

O timpanismo acontece quando acontece excesso de gás acumulado no estômago do animal. Essa presença causa o estufamento provocando a distensão abdominal. Fisicamente, pode parecer algo simples, mas esse excesso de gases afeta diretamente a circulação e a respiração, causando asfixia (impedindo o bovino de respirar), causando a morte.

Alguns sinais que apresentam gravidade são dificuldade ou nenhuma locomoção, aumento de volume na região do abdômen e dificuldade de respirar.

Quer com mais detalhes sobre a doença? Clique: como evitar o timpanismo em bovinos. O uso da virginiamicina, aditivo que melhora o desempenho da pecuária, atua diretamente na digestão, prevenindo o problema.

4 – Enterotoxemia em bovinos 

A enterotoxemia em bovinos é uma doença que evolui de forma muito rápida e com alta taxa de mortalidade na pecuária. É outro problema que, assim como o timpanismo, tem origem na alimentação.

A enterotoxemia em bovinos é uma infecção que ataca o intestino. Por não ser um vírus, não é contagiosa e transmissível aos outros animais. Existem dois tipos: Enterotxemia Clostridium  perfringens tipo C, e a Enterotoxemia Clostridium perfringens tipo D.

Está relacionada a dietas que não são balanceadas, ainda mais quando têm alto índice de amido. O carboidrato vai direto para o intestino, provocando, dessa forma, uma intoxicação, que quando se manifesta de forma superaguda, causa a morte súbita no animal. A vacina e o controle da alimentação são as principais armas para prevenção.

 

Se você oferece ureia, ter cocho coberto evita a morte súbita do rebanho.
morte subita em bovinos

5 – Raios

Notícias de rebanhos inteiros encontrados mortos por raios é bem comum. Em chuvas fortes, é instinto dos animais se abrigarem em árvores, bem onde a atração por raios é maior.

Na sua região, os raios têm alta incidência? Instale para raios e em dias de tempestades, toque o gado para o galpão. Esse espaço é interessante não apenas para essa situação, mas também abrigo do frio, sol forte e como maternidade em tempos de reprodução.

A cada 100 metros, instale isolamentos nas cercas. Isso faz com que as cargas elétricas não sejam espalhadas por toda a extensão, evitando assim danos maiores.

Sempre que notar tempo fechado e gado todo junto, espalhe rebanho. Quanto mais animais juntos, maior será o choque e a perda.

Agora que você sabe evitar a morte súbita de gado, confira quais são os alimentos proibidos para evitar prejuízos ao máximo na sua propriedade:

Referência:

Morte súbita em bovinos no Sul do Rio Grande do Sul: epidemiologia e diagnóstico. 

O que é timpanismo? Quais são as causas, os sintomas e o tratamento do timpanismo? Perguntas Frequentes. Gado de Corte. Embrapa.

Enterotoxemia em bovinos: Doença que pode ser fatal. Revista Veterinária, 14/11/20

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

×