Mastite em vacas de leite: o que é, como prevenir

Você atua com pecuária e não sabe lidar com a mastite em vacas de leite?

Como é uma doença muito comum, a Boi Saúde informa nesta dica, tudo o que você precisa saber para evitar a queda considerável de produção e mais ainda, manter a saúde e bem-estar dos animais sempre em dia, sem dor e sofrimento.

Então, está preparado?

Te desejamos uma boa leitura e caso tenha alguma dúvida, escreva nos comentários!

 

Principais dúvidas sobre mastite em vacas de leite

O que é mastite em vacas de leite? É uma inflamação mamária que atinge as glândulas. Além de causar dor, proporciona grande impacto na produção de leite. O animal fica apático e com comportamento alterado. Por isso, a Boi Saúde sempre orienta aos produtores a conhecerem bem seus bovinos, pois o primeiro sinal de comportamento diferenciado, pode indicar que a saúde não está bem.

Qual a incidência da doença no Brasil? Ataca 30% do gado leiteiro no Brasil. É um dos índices mais altos da pecuária mundial.

Prejudica a produção de leite? Sim, estudos recentes indicam que a mastite prejudica até 45% da produção leiteira.

O leite produzido por uma vaca com mastite pode causar impactos na saúde humana? Sim. Como é causada por bactérias e fungos que ficam no úbere, o leite, ao passar pelo local, pode ser contaminado.

Pode causar impacto financeiro na propriedade? Pode sim. Entre os motivos estão: custos com medicamentos, diminuição da produção leiteira, maior custo de produção. E em alguns casos, o descarte das vacas, quando a doença não é diagnosticada a tempo de ser tratada.

 

mastite bovina prejudica - Mastite em vacas de leite: o que é, como prevenir
Mastite prejudica a produção mas pode ser evitada com simples ações. – Foto: Reprodução Internet

 

Características da mastite em vacas de leite

Quais são os fatores de risco? Por ser transmitida por bactérias, as vacas ficam bastante vulneráveis à mastite. Tanto que é uma das principais doenças que acomete o gado leiteiro. Isso se deve a grande exposição a ambientes não limpos corretamente. Outro fator é manejo executado de forma errada.

Como age no organismo da vaca? As bactérias são as principais causadoras da mastite. Porém, outras causas transmissoras podem ser vírus e fungos que proliferação a infecção.

 

Sintomas

 

Quais são os sintomas? A febre é um sintoma inicial da mastite. Quando o produtor perceber que o animal está mais quente que o habitual, principalmente no focinho, pode já fazer uma análise das mamas. Caso o úbere esteja avermelhado, com características de inflamação, pode ser realmente mastite. Além disso, a produção de leite não só cai, como também o líquido pode apresentar pus ou sangue.

Quais os tipos da mastite? A doença se apresenta de duas formas: a clínica e a subclínica. A clínica, que é a mais fácil de se diagnosticar, causa alterações visíveis no leite. Ou seja, o produtor poderá identificar a doença logo na manifestação dos primeiros sintomas, além da febre. O úbere também é afetado e ganha uma forma irregular. A perda de apetite, fraqueza, desidratação também são sintomas.

Já a mastite subclínica tem uma diagnóstico mais difícil, que geralmente ocorre mais tardiamente. Isso se deve a não apresentação de sintomas visíveis e perceptíveis ao produtor. A única manifestação mais evidente é a queda na produção de leite. Infelizmente, é a forma que mais se manifesta no Brasil. Os dados de óbito são altos, chegam a 70% das vacas acometidas.

Pode acometer apenas um teto? Sim. Como o úbere é formado por quatro tetos, que funcionam de forma independente, um deles pode ser contaminado e os outros não. Por isso, assim que identificar a inflamação em um único teto, não espera a manifestação nos demais para agir.

 

Como prevenir a mastite em vacas de leite

 

Como a maioria das doenças que atingem os bovinos, a prevenção da mastite é feita no cocho. O uso de suplementos que fortalecem o organismo do animal, evitando bactérias de diversas origens, auxiliam de forma prática o produtor.

Como tratar? Atualmente, o mercado farmacêutico veterinário dispõe de vários medicamentos de fácil uso e com soluções rápidas. Pomadas antibióticas podem ser aplicadas direto no local afetado, inclusive, dependendo da marca, em uma única dose. Já a substância ciprofloxacina também é responsável pelo tratamento. Pode ser utilizada em bovinos considerados de alta produção de leite. A aplicação deve ser feita por três dias seguidos. Porém, sempre indicamos que o produtor consulte seu veterinário de confiança para, além de diagnosticar a fase da mastite, também prescrever e orientar o melhor tratamento para o caso.

 

Mantenha sempre a higiene no curral

 

A prevenção em toda a propriedade deve se feita de que forma?

  • Muito cuidado com a higiene no momento da ordenha, seja manual, seja  mecânica. Lave sempre os utensílios utilizados com cloro antes e depois. Os profissionais que atuam nessa atividade devem lavar bem as mãos e usar roupas limpas. De preferência, utilizar aventais exclusivos para essa finalidade;
  • Durante a ordenha, caso algum animal esteja com mastite, separe-o dos demais. Faça primeiro a ordenha dos outros e por último da vaca acometida, assim o risco de contaminação via utensílios será baixo.
  • Todas as vezes que a ordenha for terminada, alimente seus animais. Isso faz com que o gado permaneça em pé. O contato do teto com o solo logo depois da ordenha facilita a contaminação. E durante essa alimentação em pé proporciona o fechamento natural do orifício, bloqueando a doença.

Para continuar com temas sobre gado leiteiro, acesse a página: Suplemento para gado leite aumenta a produtividade.
Acesse também o canal da Boi Saúde no Youtube

 
Total Leite Premium - Mastite em vacas de leite: o que é, como prevenirTotal Leite Premium mobile - Mastite em vacas de leite: o que é, como prevenir
 

4 pensou em “Mastite em vacas de leite: o que é, como prevenir”

  1. Acompanho algumas propriedades e alguns produtores dizem_”aqui nunca tive problemas com mastites”. Apesar de ser ordenhadas manualmente eh provavel essa argumentaçao, sem nenhuma prevençao?

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Otoniel, obrigado pela pergunta, sugiro que envie um e-mail para “contato@boisaude.com.br” para que possa obter uma resposta completa! Continue nos acompanhando, abraços!

  2. Romicilia França da Silva Moura disse:

    Muito boa a matéria… Gostaria de receber via e-mail os estas informações.

    1. José Carlos Ribeiro disse:

      Olá Romicilia, obrigado pelo elogio, continue nos acompanhando!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*