Piquetes rotacionados para gado de corte

Gostou? Compartilhe!

Existem dois tipos de sistema de criação a pasto: contínuo e o rotacionado. Nesta dica, vamos explicar como funcionam os piquetes rotacionados para gado de corte. Afinal, o pasto é a base de engorda no Brasil.

No pastejo contínuo, os animais permanecem na mesma área durante o ano todo. Esse formato é bem apropriado para as propriedades que adotam o sistema intensivo, por exemplo.

Já no rotacionado, a área é dividida em piquetes. A cada período, os animais são deslocados para um novo piquete, mas sempre na mesma área de pasto.

O pastejo rotacionado é indicado em sistemas com alta taxa de lotação e exploração de forrageiras tropicais. Como resultado, há um ganho de produtividade, que chega a compensar alguns investimentos necessários. Entre eles, as cercas de separação dos piquetes e os bebedouros.

 

Piquetes rotacionados para gado de corte

 

Os piquetes rotacionados para gado de corte, além da produtividade, garantem um maior controle do gado e da lotação.

Além disso, a distribuição dos excrementos acontece de forma mais igual na área. Ou seja, não ficam acumulados em um único espaço. Acima de tudo, os espaços não utilizados podem ter a forragem utilizada como silagem ou feno. O oferecimento na seca substitui a falta de pasto na época sem chuvas.

O período de ocupação de cada piquete não deve ser longo. Dessa forma, a pastagem terá condições para rebrota. Ou seja, o gado não consome a cultiva a ponto de não ter um novo crescimento. Além disso, a Embrapa recomenda que seja um período de ocupação de até três dias por piquete.

Agora, sobre o período de descanso de cada um, varia de acordo com a espécie da sua propriedade.

  • Capim-elefante – 45 dias de descanso;
  • Braquiarão – 35 dias de descanso;
  • Braquiária – 30 dias de descanso.

 

piquetes rotacionados para gado de corte
Piquetes rotacionados para gado de corte – Foto: @dia.na.roca

Qualidade do pasto 

 

Em primeiro lugar, não adianta ter todo o esforço de cercar seu pasto e não manter a qualidade do pasto adequada.

Para isso, um manejo bem estabelecido faz com que a engorda do gado realmente aconteça. Como? Focando no uso de adubos, fertilizantes e até na calagem, se for preciso.

Em segundo lugar, tenha muito cuidado ao retirar o gado do pasto. Não deixe passar muito tempo do indicado. Em conclusão, dê condições para que a rebrota aconteça e os bovinos estejam naquela área novamente.

Em terceiro lugar, sobre a forrageira, escolha a que se desenvolve melhor na sua região. Atualmente, temos muitas espécies disponíveis no mercado. Sendo assim, uma orientação é pesquisar na sua região qual a forrageira nativa. Por já ser da localidade, a chance de ter bom rendimento e produtividade são maiores.

E se precisar de uma força na nutrição, aprenda a fazer sal proteinado: Como fazer sal proteinado para o gado: a receita.

Esse conteúdo fez a diferença no seu conhecimento? Deixe seu comentário!

Por fim, mais dicas sobre como aumentar a produtividade na pecuária estão disponíveis no nosso canal. Novas orientações são publicadas toda semana para que seu lucro seja maior a cada safra. Clique: Boi Saúde no YouTube.

 

Referência 

CORREA, Luciano de Almeida. Pastejo rotacionado para produção de gado de corte. Embrapa Pecuária Sudeste.

 
banner banner
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*