Problemas respiratórios em boi confinado

Os métodos de criação do gado trazem resultados diferentes e também desafios de acordo com o sistema. O boi confinado tem ótimo desempenho quando o produtor oferece o manejo adequado, desde uma boa alimentação e suplementação, até a prevenção de doenças. Nesta dica, a Boi Saúde irá abordar os problemas respiratórios que podem impactar negativamente a sua produtividade.

O confinamento é um ótimo método de giro rápido, principalmente, na fase de terminação. Pelo ganho de peso em menor tempo, com boa qualidade e rendimento de carcaça, devido ao alto consumo de alimentação baseada em grãos e energia, não há pasto. Geralmente, na maioria dos confinamentos, o chão é de terra batida.

Algumas medidas precisam ser implementadas para evitar que o boi confinado desenvolva problemas respiratórios, sofra com desconfortos e dores, e tenha uma produtividade abaixo do esperado. No inverno, as doenças respiratórias podem ter maior incidência. Mesmo em regiões com pouca chuva, o frio e baixas temperaturas também pode ocasionar essas situações.

Primeiro, evite as seguintes ações:

  • Ultrapassar o número de animais por lote. O indicado é no máximo 100;
  • Redobrar a atenção no inverno quando há menos chuvas e mais poeira.

 

Fatores que causam doenças respiratórias em boi confinado

 

  • estado imunológico;
  • nível de estresse;
  • meio ambiente;
  • fatores nutricionais;
  • manejo alimentar.

Por essas causas, é importante o produtor ter consciência sobre o impacto na saúde dos animais. Como você pode ler acima, não é um único fator que causa problemas para o boi confinado. É uma série deles. O resultado é redução do ganho do peso vivo, da carcaça e também na qualidade da carne que será produzida.

 

Problemas respiratórios de boi confinado 

 

A doença respiratória bovina (DRB) é causada por bactérias e vírus que se manifestam por meio de infecção do aparelho respiratório.

Entre as doenças respiratórias, temos:

 

Pneumonia

A pneumonia é uma doença que tem grandes impactos na pecuária, principalmente no período seco. Um dos motivos é a constante alteração climática. Porém, os cuidados também devem se estender para as águas. A umidade em alta combinada às chuvas podem desencadear o problema. Inclusive, até os bezerros podem sofrer com a doença. Saiba mais em: Pneumonia em bezerros: como tratar e prevenir.

Uma dica que a Boi Saúde sempre orienta é ter um galpão para os animais se protegerem da chuva e também das baixas temperaturas. No verão, pode ser um abrigo para o sol forte. Por mais que as árvores no pasto ou até mesmo no confinamento façam sombra, a proteção das chuvas não acontece de forma efetiva. E também o perigo dos bovinos que se abrigam nelas durante as tempestades são os raios. Para prevenir esse tipo de acidente na propriedade, confira a dica: Como prevenir morte de bois por raio e descargas elétricas

 

Tuberculose

É uma doença respiratória que não atinge só os órgãos, mas também a carcaça pelas lesões que causa. Tem uma perda da produtividade tão impactante na pecuária que causa mais de 3 bilhões de dólares de prejuízos ao ano no mundo todo. Um valor e tanto, não é mesmo?

O produtor pode obter todas as informações sobre a doença na dica: Tuberculose bovina: saiba tudo sobre a doença. 

 

Problemas respiratórios em boi confinado
Problemas respiratórios em boi confinado – Foto: Confinamento Otávio Lage.

Sintomas das doenças respiratórias em boi confinado 

  • depressão;
  • anorexia;
  • febre;
  • tosse;
  • aumento da frequência respiratória.

 

Como diagnosticar? 

 

A avaliação da saúde do boi confinado deve ser feita não só quando existe algum problema a ser investigado. É preciso que o acompanhamento seja frequente para que, ao mínimo sinal de anormalidade, o produtor tenha condições de conter uma grave problema de saúde.

No caso do confinamento, pelos animais estarem juntos, em um único espaço, o risco de transmissão é maior do que os que atuam com sistema a pasto ou semi-confinamento.

Uma orientação é fazer um acompanhamento, junto a um médico veterinário, exames clínicos e até acompanhar no frigorífico para avaliação das condições e qualidade da carcaça que podem apontar algum indício de doença.

Entre os exames, existe o histopatológico, que coleta amostras de pulmão e auxilia na prevenção e controle de doenças.

 

Como prevenir 

 

As medidas são mais simples do que se imagina. Entre elas:

Molhar os currais para evitar que a poeira da terra se misture com o ar e seja aspirada pelos bovinos;

Uma faixa de cal na entrada do confinamento também ajuda ao formar uma barreira que higieniza o local. Ou seja, todos que passarem por ali, terão os sapatos e cascos sem vírus e bactérias que podem ser transmitidos aos demais;

Como o estresse está entre os fatores de risco, implementar um manejo focado no bem-estar animal é muito importante.

E por último, os fatores nutricionais também devem ter uma atenção especial. Tudo o que é inserido no cocho precisa ter cuidadosamente um planejamento estratégico.

O foco não deve ser apenas promover uma engorda para um giro rápido, mas também manter a saúde e o bom funcionamento do organismo. Alguns suplementos facilitam e auxiliam a prevenção de problemas de saúde.

Entre eles, está a virginiamicina. Você pode obter mais informações no link: Criação de gado de corte: efeitos da virginiamicina e monensina. 

 

Amigo produtor, não deixe de se manter informado. Obter conhecimento é uma oportunidade de se manter ativo economicamente, promovendo uma alta produtividade. Além do Blog, a Boi Saúde tem dicas por vídeo no YouTube. Acesse nosso canal, se inscreva e fique por dentro das novidades da pecuária: Canal Boi Saúde.

 

Referência:

 
Cerqueira, Aline Barichello DOENÇA RESPIRATÓRIA EM BOVINOS CONFINADOS [manuscrito] : ASPECTOS PATOLÓGICOS E DE DESEMPENHO PRODUTIVO / Aline Barichello Cerqueira. – 2017. xviii, 54 f.: il.

Araújo, Flábio Ribeiro de. Artigo: Sintomas, prejuízos e medidas preventivas sobre tuberculose bovina. Embrapa Gado de Corte. Brasília, 2014.

 
banner banner
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*